sicnot

Perfil

Mundo

Juan Manuel Santos, um presidente que quer procurar a paz até ao último minuto

© AP

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, hoje distinguido com o Nobel da Paz, arriscou todo o seu capital político para pôr fim a meio século de uma guerra fratricida, um sonho que prometeu nunca mais abandonar.

"Eu continuarei a procurar a paz até ao último minuto do meu mandato, porque esse é o caminho a seguir para deixar um país melhor aos nossos filhos", disse no domingo o chefe de Estado, depois de os colombianos rejeitarem em referendo o acordo de paz com as guerrilhas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), considerando-o demasiado favorável para os guerrilheiros.

"O Presidente fez prova de uma liderança corajosa. Corajoso porque preferiu a paz à inércia da guerra. Corajoso porque submeteu a decisão aos cidadãos", disse no início da semana Humberto de la Calle, chefe dos negociadores com as FARC.

O acordo histórico pôs fim a quatro anos de contactos deslocalizados em Cuba com a mais antiga e mais importante guerrilha do país e foi saudado por toda a comunidade internacional.

Fazer as pazes com as FARC "exigia coragem, audácia, perseverança e muita estratégia: qualidades e pontos fortes de Santos", disse à AFP Mauricio Rodriguez, seu cunhado e conselheiro desde há 20 anos.

Juan Manuel Santos, de 65 anos, proveniente de uma família da alta sociedade de Bogotá, entrou na política em 1991.

Jornalista até então, tinha recebido o prémio do rei de Espanha pelas suas crónicas sobre a revolução sandinista da Nicarágua.

"Marcou-nos profundamente", disse um dia a propósito de essa investigação realizada com o seu irmão Enrique, outro ator chave do processo de paz, que começou em 2012 oficialmente, mas secretamente com a eleição de Santos em 2010.

Quando entrou no palácio presidencial Casa de Nariño, este político que se define como "de extremo centro" já tinha perseguido a guerrilha, numa cruzada implacável enquanto era ministro da Defesa do seu antecessor de direita, Alvaro Uribe.

O objetivo era enfraquecer as FARC para as obrigar a negociar. Segundo os analistas, Santos fez a guerra para alcançar a paz.

O Presidente colombiano disse sempre que não procurava uma recompensa pela sua luta pela reconciliação da Colômbia, diminuída por décadas de confrontos entre as guerrilhas de extrema esquerda, paramilitares de extrema direita e forças armadas, que fez mais de 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,9 milhões de deslocados.

"Não procuro aplausos. Quero fazer o que está certo", disse o chefe de Estado, descrito como muito racional e por vezes criticado pela sua aparente frieza, numa entrevista à AFP.

Admirador de Winston Churchill, Franklin D. Roosevelt e Nelson Mandela, leitor voraz e cinéfilo, Santos disse sempre que a sua força vem da família, constituída em 1988 com Maria Clemencia Rodriguez, que tem a alcunha de "Tutina" e é mãe dos seus três filhos.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.