sicnot

Perfil

Mundo

Juan Manuel Santos, um presidente que quer procurar a paz até ao último minuto

© AP

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, hoje distinguido com o Nobel da Paz, arriscou todo o seu capital político para pôr fim a meio século de uma guerra fratricida, um sonho que prometeu nunca mais abandonar.

"Eu continuarei a procurar a paz até ao último minuto do meu mandato, porque esse é o caminho a seguir para deixar um país melhor aos nossos filhos", disse no domingo o chefe de Estado, depois de os colombianos rejeitarem em referendo o acordo de paz com as guerrilhas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), considerando-o demasiado favorável para os guerrilheiros.

"O Presidente fez prova de uma liderança corajosa. Corajoso porque preferiu a paz à inércia da guerra. Corajoso porque submeteu a decisão aos cidadãos", disse no início da semana Humberto de la Calle, chefe dos negociadores com as FARC.

O acordo histórico pôs fim a quatro anos de contactos deslocalizados em Cuba com a mais antiga e mais importante guerrilha do país e foi saudado por toda a comunidade internacional.

Fazer as pazes com as FARC "exigia coragem, audácia, perseverança e muita estratégia: qualidades e pontos fortes de Santos", disse à AFP Mauricio Rodriguez, seu cunhado e conselheiro desde há 20 anos.

Juan Manuel Santos, de 65 anos, proveniente de uma família da alta sociedade de Bogotá, entrou na política em 1991.

Jornalista até então, tinha recebido o prémio do rei de Espanha pelas suas crónicas sobre a revolução sandinista da Nicarágua.

"Marcou-nos profundamente", disse um dia a propósito de essa investigação realizada com o seu irmão Enrique, outro ator chave do processo de paz, que começou em 2012 oficialmente, mas secretamente com a eleição de Santos em 2010.

Quando entrou no palácio presidencial Casa de Nariño, este político que se define como "de extremo centro" já tinha perseguido a guerrilha, numa cruzada implacável enquanto era ministro da Defesa do seu antecessor de direita, Alvaro Uribe.

O objetivo era enfraquecer as FARC para as obrigar a negociar. Segundo os analistas, Santos fez a guerra para alcançar a paz.

O Presidente colombiano disse sempre que não procurava uma recompensa pela sua luta pela reconciliação da Colômbia, diminuída por décadas de confrontos entre as guerrilhas de extrema esquerda, paramilitares de extrema direita e forças armadas, que fez mais de 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,9 milhões de deslocados.

"Não procuro aplausos. Quero fazer o que está certo", disse o chefe de Estado, descrito como muito racional e por vezes criticado pela sua aparente frieza, numa entrevista à AFP.

Admirador de Winston Churchill, Franklin D. Roosevelt e Nelson Mandela, leitor voraz e cinéfilo, Santos disse sempre que a sua força vem da família, constituída em 1988 com Maria Clemencia Rodriguez, que tem a alcunha de "Tutina" e é mãe dos seus três filhos.

Lusa

  • Quem deve ser o próximo treinador do FC Porto?

    Desporto

    Nuno Espírito Santo já não é treinador do FC Porto. O técnico e o clube chegaram a acordo mútuo para a rescisão do contrato, que o ligava por mais uma temporada aos dragões. Nuno Pinto da Costa tem agora que encontrar um novo treinador para orientar dos "dragões". Os nomes em cima da mesa são vários. Diga-nos quem deve ser o novo treinador do FC Porto.

  • Os treinadores do FC Porto desde o último título 

    Desporto

    Nunca o FC Porto esteve quatro anos consecutivos sem ganhar um título durante a presidência de Nuno Pinto da Costa. A ausência de vitórias teve início na época de 2013/14, quando começou uma autêntica dança de treinadores.

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Divulgado vídeo dos bambardeamentos contra o Daesh no Iraque
    0:42
  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.