sicnot

Perfil

Mundo

Nobel Vargas Llosa traça perigos para a democracia

Manuel Almeida

O prémio nobel da Literatura Vargas Llosa considera que a democracia é o melhor sistema, que está de "boa saúde" mas que também tem perigos de retrocesso e ameaças como a demagogia, corrupção ou a desigualdade.

E como perigos de retrocesso o escritor dá o exemplo da Grã-Bretanha, uma democracia saudável que cedeu à demagogia, "a um modelo chauvinista e xenófobo" quando do referendo para a saída da União Europeia.

Mario Vargas Llosa, o escritor peruano que foi prémio Nobel da literatura em 2010, falava esta sexta-feira em Lisboa no encerramento de uma conferência organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, que trouxe à capital pensadores e politólogos para oito conferências sobre o tema "Que Democracia?".

Foi dela que o escritor falou durante quase uma hora, afirmando que todos os sistemas que a combateram, o mais "sério" o comunismo, acabaram por desaparecer, porque nenhum contribuiu tanto como a democracia para diminuir as violências.

Do comunismo, acrescentou para uma sala cheia, subsistem regimes anacrónicos, como o de Cuba ou da Coreia do Sul. E se o comunismo já não é o inimigo há outro, hoje o "inimigo principal, a gangrena", que é a corrupção.

Porque, disse, "nada desagrada mais do que ver o enriquecimento ilegítimo" e a corrupção afeta hoje países de todos os continentes. E Vargas Llosa dá como exemplo a Espanha, o país onde decidiu viver e que era "uma história feliz dos tempos modernos" que se desagregou pelos casos de corrupção envolvendo os principais partidos e que levou ao descrédito e ao afastamento da política por parte da sociedade.

E a Venezuela outro exemplo onde a corrupção pode desagregar a democracia. "O fenómeno (Hugo) Chavez não se explica se não pelo desencanto provocado pela corrupção".

E na América do Sul o narcotráfico agrava a situação, razão que leva "muitos de nós" a defenderem a legalização da droga, marijuana e cocaína, continuou Vargas Llosa.

E depois, porque a democracia e o capitalismo são "inseparáveis", porque há um "capitalismo que vive na ilegalidade", outro fenómeno que ameaça a democracia é a desigualdade. Assim: "Quando uma sociedade pensa que essa desigualdade não é produto do talento e da contribuição livre mas do privilégio e do favoritismo, então o sistema está ameaçado porque perde o apoio da população".

Para o escritor o fundamentalismo muçulmano e o terrorismo não são uma ameaça, porque são tão "absurdos" e um "retrocesso tão grande" que se irão extinguir.

Na conferência da Fundação, na tarde de hoje falaram também os especialistas em política Pia Mancini (Argentina) e Daniel Innerarity (Espanha), sobre a influência da internet, e depois Marcelo Neves (Brasil) e Poiares Maduro (Portugal), estes sobre pluralismo e justiça social.

O antigo ministro Poiares Maduro disse que a democracia desilude cada vez mais as pessoas, que a política é cada vez menos espaço de reconciliação mas de amplificação de conflitos. Crítico, Poiares Maduro disse que se discute não o que é importante mas o que é fácil e que hoje na democracia a politica a experiencia é desvalorizada. Donald Trump, "corre o risco de ser eleito porque não sabe de matéria nenhuma", disse.

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.