sicnot

Perfil

Mundo

Nobel Vargas Llosa traça perigos para a democracia

Manuel Almeida

O prémio nobel da Literatura Vargas Llosa considera que a democracia é o melhor sistema, que está de "boa saúde" mas que também tem perigos de retrocesso e ameaças como a demagogia, corrupção ou a desigualdade.

E como perigos de retrocesso o escritor dá o exemplo da Grã-Bretanha, uma democracia saudável que cedeu à demagogia, "a um modelo chauvinista e xenófobo" quando do referendo para a saída da União Europeia.

Mario Vargas Llosa, o escritor peruano que foi prémio Nobel da literatura em 2010, falava esta sexta-feira em Lisboa no encerramento de uma conferência organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, que trouxe à capital pensadores e politólogos para oito conferências sobre o tema "Que Democracia?".

Foi dela que o escritor falou durante quase uma hora, afirmando que todos os sistemas que a combateram, o mais "sério" o comunismo, acabaram por desaparecer, porque nenhum contribuiu tanto como a democracia para diminuir as violências.

Do comunismo, acrescentou para uma sala cheia, subsistem regimes anacrónicos, como o de Cuba ou da Coreia do Sul. E se o comunismo já não é o inimigo há outro, hoje o "inimigo principal, a gangrena", que é a corrupção.

Porque, disse, "nada desagrada mais do que ver o enriquecimento ilegítimo" e a corrupção afeta hoje países de todos os continentes. E Vargas Llosa dá como exemplo a Espanha, o país onde decidiu viver e que era "uma história feliz dos tempos modernos" que se desagregou pelos casos de corrupção envolvendo os principais partidos e que levou ao descrédito e ao afastamento da política por parte da sociedade.

E a Venezuela outro exemplo onde a corrupção pode desagregar a democracia. "O fenómeno (Hugo) Chavez não se explica se não pelo desencanto provocado pela corrupção".

E na América do Sul o narcotráfico agrava a situação, razão que leva "muitos de nós" a defenderem a legalização da droga, marijuana e cocaína, continuou Vargas Llosa.

E depois, porque a democracia e o capitalismo são "inseparáveis", porque há um "capitalismo que vive na ilegalidade", outro fenómeno que ameaça a democracia é a desigualdade. Assim: "Quando uma sociedade pensa que essa desigualdade não é produto do talento e da contribuição livre mas do privilégio e do favoritismo, então o sistema está ameaçado porque perde o apoio da população".

Para o escritor o fundamentalismo muçulmano e o terrorismo não são uma ameaça, porque são tão "absurdos" e um "retrocesso tão grande" que se irão extinguir.

Na conferência da Fundação, na tarde de hoje falaram também os especialistas em política Pia Mancini (Argentina) e Daniel Innerarity (Espanha), sobre a influência da internet, e depois Marcelo Neves (Brasil) e Poiares Maduro (Portugal), estes sobre pluralismo e justiça social.

O antigo ministro Poiares Maduro disse que a democracia desilude cada vez mais as pessoas, que a política é cada vez menos espaço de reconciliação mas de amplificação de conflitos. Crítico, Poiares Maduro disse que se discute não o que é importante mas o que é fácil e que hoje na democracia a politica a experiencia é desvalorizada. Donald Trump, "corre o risco de ser eleito porque não sabe de matéria nenhuma", disse.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.