sicnot

Perfil

Mundo

Papa triste com casamento entre duas antigas monjas

O papa Francisco reagiu esta sexta-feira com tristeza ao conhecer a história de amor entre duas monjas, que redundou no casamento das duas religiosas, depois de abandonarem os hábitos.

"Quanta tristeza no rosto do papa quando lhe li a notícias das duas 'monjas' esposas!", afirmou hoje o substituto da Secretaria de Estado da Santa Sé, Angelo Becciu, em mensagem colocada na rede social Twitter.

Em causa está a história de Federica e Isabel, duas religiosas que decidiram abandonar a vida da Igreja e casar-se, aproveitando a recente lei que permite em Itália as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, aprovada em maio último.

Estas duas mulheres, uma italiana e outra da América do Sul, de 44 e 20 anos, casaram-se em 28 de setembro no município de Pinerolo, na região do Piemonte, informou a imprensa local.

O diário "La Repubblica" publicou hoje uma entrevista ao par em que referem que o seu amor surgiu durante uma missão na Guiné-Bissau, "trabalhando lado a lado a favor dos pobres", como faziam desde que se tornaram monjas com 20 anos.

As duas asseguraram que recusaram "um conselho que se escuta com frequência nos conventos, o de viverem juntas como irmãs: 'Basta que não digam nada e não provoquem escândalo', o que consideraram uma forma de estar 'cómoda e falsa'".

Salientaram também que "há muitos casos como este: sacerdotes e religiosas que vivem clandestinamente as suas relações com homens e mulheres", mas que "no Evangelho, Jesus condenou a hipocrisia, não a homossexualidade".

O diário de Turim "la Stampa" informou, por seu turno, que a união civil foi presidida pelo autarca de Pinerolo e que o ato foi seguido por uma "função religiosa" organizada por Franco Barbero, expulso do sacerdócio em 2003 por João Paulo II, por abençoar casais homossexuais.

Lusa

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.