sicnot

Perfil

Mundo

Processo de paz na Colômbia "já avançou demasiado para recuar" após Nobel

O secretário-geral da ONU defendeu esta sexta-feira que o processo de paz na Colômbia "avançou demasiado para agora recuar" e que a atribuição do prémio Nobel da Paz ao Presidente traz "esperança e encorajamento" aos colombianos.

A distinção do chefe de Estado da Colômbia, Juan Manuel Santos, ocorre "num momento crucial, traz a esperança e o encorajamento necessários à população colombiana", declarou Ban Ki-moon em comunicado.

Apesar de os colombianos terem rejeitado em referendo o histórico acordo de paz concluído entre as autoridades e a guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) após meio século de conflito, o processo "já foi demasiado longe para agora recuar", acrescentou.

Ban Ki-moon descreveu o Nobel como "uma mensagem oportuna a todos os que tão arduamente trabalharam pela paz - ao Governo da Colômbia, às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Exército do Povo (FARC-EP)" e a outras forças políticas e sociais que expressaram o desejo de pôr termo ao conflito.

"O processo de paz devia inspirar o nosso mundo", afirmou.

O líder dos rebeldes das FARC, Timoleon Jimenez, não foi co-premiado com o Nobel.

Era amplamente esperado que o acordo colombiano, assinado a 26 de setembro após quase quatro anos de negociações, fosse ratificado na sequência do referendo de 2 de outubro, mas os votantes rejeitaram-no, deixando o país a oscilar entre a guerra e a paz.

O conflito matou mais de 260.000 pessoas e fez 45.000 desaparecidos ao longo de cinco décadas, envolvendo diversos grupos de guerrilha de esquerda, paramilitares de direita e gangues de tráfico de droga.

Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49