sicnot

Perfil

Mundo

Processo de paz na Colômbia "já avançou demasiado para recuar" após Nobel

O secretário-geral da ONU defendeu esta sexta-feira que o processo de paz na Colômbia "avançou demasiado para agora recuar" e que a atribuição do prémio Nobel da Paz ao Presidente traz "esperança e encorajamento" aos colombianos.

A distinção do chefe de Estado da Colômbia, Juan Manuel Santos, ocorre "num momento crucial, traz a esperança e o encorajamento necessários à população colombiana", declarou Ban Ki-moon em comunicado.

Apesar de os colombianos terem rejeitado em referendo o histórico acordo de paz concluído entre as autoridades e a guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) após meio século de conflito, o processo "já foi demasiado longe para agora recuar", acrescentou.

Ban Ki-moon descreveu o Nobel como "uma mensagem oportuna a todos os que tão arduamente trabalharam pela paz - ao Governo da Colômbia, às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Exército do Povo (FARC-EP)" e a outras forças políticas e sociais que expressaram o desejo de pôr termo ao conflito.

"O processo de paz devia inspirar o nosso mundo", afirmou.

O líder dos rebeldes das FARC, Timoleon Jimenez, não foi co-premiado com o Nobel.

Era amplamente esperado que o acordo colombiano, assinado a 26 de setembro após quase quatro anos de negociações, fosse ratificado na sequência do referendo de 2 de outubro, mas os votantes rejeitaram-no, deixando o país a oscilar entre a guerra e a paz.

O conflito matou mais de 260.000 pessoas e fez 45.000 desaparecidos ao longo de cinco décadas, envolvendo diversos grupos de guerrilha de esquerda, paramilitares de direita e gangues de tráfico de droga.

Lusa

  • Obama acredita que Guterres será um bom líder da ONU
    0:53

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar de perto com os Estados Unidos na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido esta sexta-feira por Barack Obama, na Casa Branca, onde foi elogiado pelo ainda Presidente.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.