sicnot

Perfil

Mundo

Processo de paz na Colômbia "já avançou demasiado para recuar" após Nobel

O secretário-geral da ONU defendeu esta sexta-feira que o processo de paz na Colômbia "avançou demasiado para agora recuar" e que a atribuição do prémio Nobel da Paz ao Presidente traz "esperança e encorajamento" aos colombianos.

A distinção do chefe de Estado da Colômbia, Juan Manuel Santos, ocorre "num momento crucial, traz a esperança e o encorajamento necessários à população colombiana", declarou Ban Ki-moon em comunicado.

Apesar de os colombianos terem rejeitado em referendo o histórico acordo de paz concluído entre as autoridades e a guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) após meio século de conflito, o processo "já foi demasiado longe para agora recuar", acrescentou.

Ban Ki-moon descreveu o Nobel como "uma mensagem oportuna a todos os que tão arduamente trabalharam pela paz - ao Governo da Colômbia, às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Exército do Povo (FARC-EP)" e a outras forças políticas e sociais que expressaram o desejo de pôr termo ao conflito.

"O processo de paz devia inspirar o nosso mundo", afirmou.

O líder dos rebeldes das FARC, Timoleon Jimenez, não foi co-premiado com o Nobel.

Era amplamente esperado que o acordo colombiano, assinado a 26 de setembro após quase quatro anos de negociações, fosse ratificado na sequência do referendo de 2 de outubro, mas os votantes rejeitaram-no, deixando o país a oscilar entre a guerra e a paz.

O conflito matou mais de 260.000 pessoas e fez 45.000 desaparecidos ao longo de cinco décadas, envolvendo diversos grupos de guerrilha de esquerda, paramilitares de direita e gangues de tráfico de droga.

Lusa

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06