sicnot

Perfil

Mundo

Processo de paz na Colômbia "já avançou demasiado para recuar" após Nobel

O secretário-geral da ONU defendeu esta sexta-feira que o processo de paz na Colômbia "avançou demasiado para agora recuar" e que a atribuição do prémio Nobel da Paz ao Presidente traz "esperança e encorajamento" aos colombianos.

A distinção do chefe de Estado da Colômbia, Juan Manuel Santos, ocorre "num momento crucial, traz a esperança e o encorajamento necessários à população colombiana", declarou Ban Ki-moon em comunicado.

Apesar de os colombianos terem rejeitado em referendo o histórico acordo de paz concluído entre as autoridades e a guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) após meio século de conflito, o processo "já foi demasiado longe para agora recuar", acrescentou.

Ban Ki-moon descreveu o Nobel como "uma mensagem oportuna a todos os que tão arduamente trabalharam pela paz - ao Governo da Colômbia, às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Exército do Povo (FARC-EP)" e a outras forças políticas e sociais que expressaram o desejo de pôr termo ao conflito.

"O processo de paz devia inspirar o nosso mundo", afirmou.

O líder dos rebeldes das FARC, Timoleon Jimenez, não foi co-premiado com o Nobel.

Era amplamente esperado que o acordo colombiano, assinado a 26 de setembro após quase quatro anos de negociações, fosse ratificado na sequência do referendo de 2 de outubro, mas os votantes rejeitaram-no, deixando o país a oscilar entre a guerra e a paz.

O conflito matou mais de 260.000 pessoas e fez 45.000 desaparecidos ao longo de cinco décadas, envolvendo diversos grupos de guerrilha de esquerda, paramilitares de direita e gangues de tráfico de droga.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.