sicnot

Perfil

Mundo

Conselho de Segurança rejeita resoluções da França e Rússia sobre a Síria

O Conselho de Segurança da ONU rejeitou este sábado um projeto de resolução russo que apelava ao fim das hostilidades na Síria, mas sem solicitar especificamente um fim dos atuais bombardeamentos sobre a cidade de Alepo.

Nove dos 15 países membros do Conselho de Segurança rejeitaram o texto, incluindo a França, Estados Unidos e Reino Unido, que pouco antes tinham votado favoravelmente um texto alternativo apresentado pela França, por sua vez vetado pela Rússia.

A Venezuela, Egito e China votaram com a Rússia no apoio ao texto, enquanto Angola e o Uruguai se abstiveram.

Numa votação que decorreu pouco antes, a Rússia tinha aplicado o seu direito de veto a um texto que apelava ao fim dos bombardeamentos sobre Alepo e proposto pela França, impedindo a sua adoção.

No Conselho, apenas Rússia e Venezuela se opuseram à proposta francesa, com a China e Angola a absterem-se. Os restantes 11 países do Conselho, incluindo Estados Unidos e Reino Unido, apoiaram o texto.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".