sicnot

Perfil

Mundo

Furacão Matthew dirige-se para a Carolina do Sul

O furacão Matthew está a dirigir-se para o norte dos Estados Unidos, em direção à costa da Carolina do Sul. A tempestade tem vindo a perder força à medida que atravessa o país.

Na Flórida, os ventos chegaram a atingir os 200 quilómetros por hora. Pelo menos 4 pessoas morreram e 3 milhões abandonaram as casas para se protegerem em abrigos.

Há relato de mais de 1 milhão de pessoas sem eletricidade e danos incalculáveis em habitações e serviços.

No Haiti, à medida que as autoridades conseguem aceder às zonas mais afetadas, aumenta o número de mortos. Contam-se já mais de 870 mortais.

  • Matthew, um dos maiores furacões de sempre
    1:07

    Mundo

    O furacão Matthew, um dos maiores de que há registo, está a atingir de forma devastadora a América Central e o sudeste dos Estados Unidos, onde quatro Estados já acionaram planos de emergência.

  • "É uma experiência assustadora"
    4:54

    Mundo

    Maria Elizabeth Pereira está a viver na Florida e falou com a SIC sobre o furacão Matthew. A portuguesa diz que os ventos continuam fortes, mas que perto da sua casa a situação está estável. A portuguesa confessa no entanto tratar-se de uma "experiência assustadora" por não saber se a situação irá piorar.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão