sicnot

Perfil

Mundo

Jornal espanhol encontrou fugitivo português procurado pela Interpol

El Mundo

O diário espanhol El Mundo faz hoje manchete com o caso de um fugitivo português à justiça espanhola, procurado pela Interpol, acusado de um desfalque de dezenas de milhões de euros, que o jornal descobriu em Luanda, protegido pelas autoridades angolanas.

O El Mundo garante que encontrou o português de 62 anos, que também tem passaporte angolano, em Luanda, "onde vive tranquilo, sabendo que não o irão deportar", e publica na primeira página do jornal uma fotografia do fugitivo numa rua da capital angolana.

O diário explica que o português era um "agente local" em Luanda da empresa pública responsável por todos os comércios de armas em Espanha, Defex, embora vivesse em Lisboa, quando esta realizou um negócio "ruinoso" em Angola para os cofres públicos espanhóis.

Espanha devia ter vendido armas à polícia de Luanda por 153 milhões, "mas aproximadamente 100 milhões desapareceram e só chegou ao destino metade da mercadoria".

O papel do português terá sido o de "contactar com as pessoas adequadas" em Angola para conseguir a adjudicação do contrato, mas teria também tido um papel essencial na distribuição dos alegados subornos, que estão a ser investigados pela justiça espanhola.

Segundo as fontes do El Mundo, o fugitivo era "o homem para tudo" das empresas espanholas que tinham negócios em Angola e os seus contactos com "gente do Governo" angolano eram "bem conhecidos", assim como a boa relação que tinha com o Ministério do Interior espanhol.

O português chegou a ser interrogado pela justiça luxemburguesa, em 12 de março de 2014, sobre a origem de 41 milhões de euros transferidos de Angola, mas quando a polícia portuguesa o foi deter, em julho desse ano, na sua casa nos arredores de Lisboa, em Linda-a-Velha, ele já lá não estava.

Nessa altura, foi passada uma ordem internacional de detenção enviada à Interpol (organização internacional de cooperação entre polícias de diferentes países) pelo juiz espanhol responsável pela instrução do caso.

Os jornalistas responsáveis pela investigação do El Mundo tinham alguns indícios sobre a presença do fugitivo em Luanda e enviaram um fotógrafo que o localizou na capital angolana e que tirou as fotografias que publicam, a prova da sua presença nessa capital africana.

Para o diário espanhol, o português vive em Luanda desde que saiu apressadamente de Portugal e não teme a possibilidade de extradição, visto que Angola não tem assinado um convénio de extradição com Espanha.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.