sicnot

Perfil

Mundo

Jornal espanhol encontrou fugitivo português procurado pela Interpol

El Mundo

O diário espanhol El Mundo faz hoje manchete com o caso de um fugitivo português à justiça espanhola, procurado pela Interpol, acusado de um desfalque de dezenas de milhões de euros, que o jornal descobriu em Luanda, protegido pelas autoridades angolanas.

O El Mundo garante que encontrou o português de 62 anos, que também tem passaporte angolano, em Luanda, "onde vive tranquilo, sabendo que não o irão deportar", e publica na primeira página do jornal uma fotografia do fugitivo numa rua da capital angolana.

O diário explica que o português era um "agente local" em Luanda da empresa pública responsável por todos os comércios de armas em Espanha, Defex, embora vivesse em Lisboa, quando esta realizou um negócio "ruinoso" em Angola para os cofres públicos espanhóis.

Espanha devia ter vendido armas à polícia de Luanda por 153 milhões, "mas aproximadamente 100 milhões desapareceram e só chegou ao destino metade da mercadoria".

O papel do português terá sido o de "contactar com as pessoas adequadas" em Angola para conseguir a adjudicação do contrato, mas teria também tido um papel essencial na distribuição dos alegados subornos, que estão a ser investigados pela justiça espanhola.

Segundo as fontes do El Mundo, o fugitivo era "o homem para tudo" das empresas espanholas que tinham negócios em Angola e os seus contactos com "gente do Governo" angolano eram "bem conhecidos", assim como a boa relação que tinha com o Ministério do Interior espanhol.

O português chegou a ser interrogado pela justiça luxemburguesa, em 12 de março de 2014, sobre a origem de 41 milhões de euros transferidos de Angola, mas quando a polícia portuguesa o foi deter, em julho desse ano, na sua casa nos arredores de Lisboa, em Linda-a-Velha, ele já lá não estava.

Nessa altura, foi passada uma ordem internacional de detenção enviada à Interpol (organização internacional de cooperação entre polícias de diferentes países) pelo juiz espanhol responsável pela instrução do caso.

Os jornalistas responsáveis pela investigação do El Mundo tinham alguns indícios sobre a presença do fugitivo em Luanda e enviaram um fotógrafo que o localizou na capital angolana e que tirou as fotografias que publicam, a prova da sua presença nessa capital africana.

Para o diário espanhol, o português vive em Luanda desde que saiu apressadamente de Portugal e não teme a possibilidade de extradição, visto que Angola não tem assinado um convénio de extradição com Espanha.

Lusa

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • Governo cria fundo de apoio para as pessoas afetadas pelos incêndios
    1:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O ministro do Planeamento e Infraestruturas reuniu-se esta quarta-feira com os autarcas de Figueró dos Vinhos, Castanheira de Pera e Pedrógão  Grande. O Governo criou um fundo financeiro, com o contributo dos portugueses, para apoiar a reconstrução das habitações e a vida das pessoas afetadas pelos incêndios que lavram desde sábado. O fundo será aprovado quinta-feira em Conselho de Ministros.

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC