sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha reforça segurança em estações de comboios e aeroportos

A polícia alemã reforçou hoje a segurança nas estações de comboio e aeroportos, na sequência da suspeita da preparação de um ataque à bomba por parte de um jovem sírio, que continua a monte desde sábado.

Um dia depois do início da operação em Chemnitz, na região da Saxónia, o Ministério da Administração Interna comentou que o país continua na "mira do terrorismo internacional", enquanto a polícia federal informou ter sido reforçada a vigilância, pelo menos, até segunda-feira, sobretudo em "infraestruturas críticas".

A definição refere-se a aeroportos, estações de comboios e outros edifícios e locais relacionados com prestações de serviços básicos para a população, como centrais elétricas e redes de distribuição de água.

O suspeito de planeamento de um ataque é Jaber Albakr, um sírio nascido em janeiro de 1994, e que, segundo a imprensa local, chegou no ano passado à Alemanha e solicitou asilo.

A polícia detonou, de forma controlada, explosivos encontrados no apartamento do jovem e crê que o homem possa ser perigoso e desconhece onde está e se está armado.

Pela parte do Ministério da Administração Interna não foi descartada a hipótese de a Alemanha ser alvo de ataques, como os ocorridos em França e na Bélgica.

Mas a operação antiterrorista de sábado mostrou que as forças de segurança alemãs "estão muito atentas".

Lusa

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32