sicnot

Perfil

Mundo

Etiópia declara estado de emergência

O primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, declarou hoje o estado de emergência para o país depois de meses de violentos protestos antigovernamentais.

"O estado de emergência foi declarado após uma discussão no Conselho de Ministros sobre a perda de vidas e danos materiais registados no país", declarou o governante, sublinhando que, com esta decisão, se "coloca a segurança dos cidadãos em primeiro lugar".

Desalegn argumentou que o executivo quer acabar com os estragos nas infraestruturas, centros de saúde e edifícios administrativos e da Justiça.

A Etiópia tem vivido uma grande contestação do governo liderada pelos grupos étnicos dominantes Oromo e Amhara, que se dizem marginalizados pelo atual governo.

Lusa

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.