sicnot

Perfil

Mundo

Ex-presidente do Iémen promete vingança contra Arábia Saudita

O ex-presidente do Iémen Ali Abdalá Saleh, aliado dos rebeldes 'huthis', prometeu hoje vingança contra a Arábia Saudita, depois do bombardeamento de sábado na capital, Saná, que provocou 140 mortos mortos.

Numa declaração televisa, Saleh instou os seus partidários a pegarem em armas e a dirigirem-se às fronteias da Arábia Saudita para lutar.

O antigo presidente apelou ainda aos Ministérios da Defesa e do Interior para que "tomem as medidas necessárias para receber os combatentes".

"Os combatentes cumprirão com o seu dever, vão vingar-se", acrescentou Saleh.

A coligação militar árabe que intervém no Iémen sob comando da Arábia Saudita negou em comunicado qualquer envolvimento nos 'raides' aéreos, garantindo não ter conduzido operações militares no local desse bombardeamento e sugeriu que deveriam ser consideradas "outras causas".

Mais de 140 pessoas foram mortas e pelo menos 525 feridas quando um bombardeamento aéreo atingiu uma cerimónia fúnebre no Iémen e os rebeldes 'huthis' acusam a coligação dirigida pelos sauditas.

Lusa

  • Mais de 140 mortos em bombardeamento no Iémen
    0:50

    Mundo

    Um ataque aéreo na capital do Iémen provocou mais de 140 mortos e mais de 500 feridos. A ofensiva decorreu durante o funeral de um familiar do Ministro do Interior do país, onde diversas personalidades locais e militares participavam nas cerimónias funebres.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.