sicnot

Perfil

Mundo

Hamas reivindica autoria de ataque em Jerusalém

O movimento islâmico Hamas reclamou a autoria do ataque de hoje em Jerusalém, no qual morreram dois israelitas, outros cinco ficaram feridos e o autor foi abatido a tiro pela polícia.

"A operação foi levada a cabo por Musbah Abu Subeij, de 39 anos, do bairro palestiniano de Silwán, em Jerusalém Este", lê-se num comunicado oficial do Hamas, citado pela agência Efe.

De acordo com o comunicado, Abu Subeij era conhecido por ser um dos membros ativos do movimento em Jerusalém Este, a parte da cidade ocupada por Israel desde 1967 e reclamada pelos palestinianos como capital do seu Estado.

"Antes de sacrificar a sua alma hoje, sacrificava sempre o seu dinheiro e anos de vida pela mesquita de Al Aqsa e por Jerusalém. A sua principal preocupação era defender a mesquita", diz o Hamas.

Segundo a mesma fonte, Abu Subeij cumpriu pena durante vários anos em prisões israelitas e era procurado pela polícia.

"A polícia israelita esperava que Abu Subeij se entregasse para cumprir uma pena de quatro meses de detenção administrativa (...). Mas [Abu Subeij] preferiu o caminho dos mujahideen (combatentes, em árabe) e desempenhou esta heroica operação", refere o Hamas.

Por outro lado, as autoridades judiciais israelitas optaram pela não divulgação das circunstâncias do ataque, identidade do agressor ou dados das vítimas.

O movimento islâmico elogiou a ação do que denominou ser a "Intifada de Al Quds" [Revolta de Jerusalém], uma onda de violência que atinge a região há um ano e já custou a vida a 234 palestinianos, mais de dois terços dos quais quando levavam a cabo ataques ou presumíveis ataques.

Nestes ataques morreram 42 pessoas, entre 38 israelitas, dois norte-americanos, um eritreu e um transeunte palestiniano.

O incidente de hoje ocorreu quando um palestiniano disparou contra várias pessoas nas proximidades da Esquadra de Polícia Central de Israel, localizada na zona leste de Jerusalém, tendo depois fugido para o bairro de Sheik Jarraj, onde, mais tarde, foi morto pela polícia na sequência de uma troca de tiros.

"A Intifada de Al Quds está em marcha e nada a parará. A operação de hoje conseguiu surpreender o inimigo e foi levada a cabo apesar das fortes medidas de segurança israelitas", concluiu o Hamas, referindo-se ao nível de alerta por causa do período de festas judaicas do ano novo.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.