sicnot

Perfil

Mundo

Defesa diz que Lula da Silva não favoreceu empréstimos para obras em Angola

A defesa do ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva disse esta segunda-feira que o seu cliente não atuou para favorecer o financiamento de contratos de empresas brasileiras com obras em Angola.

"Não conheço as acusações, mas posso dizer que as decisões do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) sobre a concessão de empréstimos são feitas por um colegiado do qual o Presidente [Lula da Silva] não participava", declarou Cristiano Zanin Martins.

O causídico continuou alegando que as palestras colocadas sob suspeita pelo Ministério Público Federal (MPF) na acusação como sendo uma forma de lavar dinheiro pago em retribuição ao ex-Presidente brasileiro em favorecimento da empreiteira Odebrecht "foram realizadas e estão comprovadas".

Citando o suposto envolvimento do ex-chefe de Estado para favorecer os negócios de seu sobrinho, o advogado se limitou a dizer que Lula da Silva "não tem participações nos negócios de Taiguara [Rodrigues dos Santos]".

Hoje o MPF do Brasil acusou o ex-Presidente pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, tráfico de influência e corrupção passiva devido a negócios em Angola.

Estas práticas criminosas teriam ocorrido entre 2008 e 2015 e envolveram, segundo o MPF, a atuação de Lula da Silva junto ao BNDES e outros órgãos sediados em Brasília com o propósito de garantir a liberação de financiamentos pelo banco público para a realização de obras de engenharia em Angola.

Além de Lula da Silva, outras 10 pessoas foram acusadas, entre elas os empresários Marcelo Odebrecht e Taiguara Rodrigues dos Santos.

Para os procuradores, entre 2008 e 2010, quando Lula da Silva ainda ocupava a Presidência da República terá praticado corrupção passiva. Depois de deixar o cargo, de 2011 até 2015, os investigadores alegam que o ex-Presidente cometeu tráfico de influência em benefício dos envolvidos.

O político brasileiro deve responder por lavagem de dinheiro, crime que que teria sido praticado 44 vezes e que foi viabilizado, por exemplo, por meio de repasses de valores justificados pela subcontratação da empresa Exergia Brasil, criada em 2009 por Taiguara Rodrigues dos Santos.

Os procuradores alertaram, em comunicado, que "parte dos pagamentos indevidos se concretizou por meio de palestras supostamente ministradas pelo ex-Presidente a convite da construtora".

Na nota lê-se ainda que as investigações continuam, desdobradas em cinco processos, "tanto no caso dos empreendimentos feitos em Angola e da participação da empresa Exergia Portugal na organização criminosa", como em relação a outros empréstimos feitos pelo BNDES no âmbito do financiamento para exportação de serviços.

O programa do BNDES beneficiou vários países de África e da América Latina, sendo que, além da Odebrecht, houve obras executadas por outras construtoras.

Lusa

  • Portugueses passam mais de oito horas por semana ao volante
    0:59

    País

    Os portugueses gastam, em média, oito horas em deslocações durante a semana. Um estudo do Observatório Europeu da Mobilidade, divulgado hoje, diz ainda que a grande maioria prefere o automóvel como meio de transporte. Entre os países europeus, Portugal é líder na utilização do carro para deslocação para o trabalho.

  • A SIC foi dar uma volta de bicicleta

    País

    Há 90 anos, cerca de 40 ciclistas partiam do Marquês de Pombal, em Lisboa, para a primeira etapa da 1.ª Volta a Portugal de Bicicleta. Hoje, um grupo de investigadores repete o percurso, até Setúbal, dando início a uma viagem que pretende incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte no dia-a-dia. Um jornalista da SIC segue no pelotão e pode acompanhar a viagem em direto no Facebook da SIC Notícias.

    SIC

  • Angola com eleições a 23 de agosto

    Mundo

    O chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, convocou as próximas eleições gerais em Angola para 23 de agosto de 2017, informou hoje à agência Lusa a Casa Civil do Presidente da República.

  • Portugal subiu cinco lugares no Ranking da Liberdade de Imprensa
    1:42

    País

    Portugal está agora na 18 ª posição em 180 países no relatório deste ano dos Repórteres Sem Fronteiras. Esta associação revela que a imprensa portuguesa foi condenada 21 vezes por violação de liberdade de expressão e por difamação pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.