sicnot

Perfil

Mundo

Pais indianos investigados após filha morrer devido a jejum de 68 dias

UMA SUDHIR

A polícia indiana está a investigar os pais de uma menina de 13 anos que morreu a semana passada depois de se sujeitar por motivos religiosos a um jejum de 68 dias.

As autoridades de Hyderabad querem averiguar se Aradhana Samdariya foi ou não forçada a fazer o jejum, apesar dos pais garantirem que a menina jejuou voluntariamente, seguindo o que recomenda o Jainismo, uma das religiões mais antigas da Índia.

Segundo a polícia, a rapariga viveu 68 dias a ingerir apenas água fervida. Morreu dois dias depois de ter parado o jejum.

Foi aberta uma investigação policial, depois de uma organização de defesa dos direitos das crianças ter apresentado uma queixa.

"Ela pediu permissão para fazer o upvaas - jejum de renúncia da comida. Pedimos-lje que parasse após 51 dias, mas ela não desistiu. O seu jejum foi voluntário. Ninguém a forçou", afirmou a mãe, Manshi Samdariya.

Apesar da garantia, o caso está a gerar muita polémica e vários ativistas sociais rejeitam por completo a defesa dos pais.

"A nação inteira devia ter vergonha por uma prática destas ainda existir", disse um ativista à BBC.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.