sicnot

Perfil

Mundo

Suspeito de preparar atentado na Alemanha era refugiado sírio

© Axel Schmidt / Reuters

O jovem sírio que foi hoje detido, suspeito de preparar um atentado à bomba, era refugiado, segundo o jornal alemão Der Spiegel.

De acordo com o semanário, Jaber Albakr chegou à Alemanha no dia 18 de fevereiro, numa vaga de refugiados, tendo duas semanas depois solicitado formalmente asilo com um passaporte sírio, pedido que foi concedido em meados de junho.

A polícia deteve Albakr depois de quase dois dias de caça ao homem.

"Conseguimos, [estamos] realmente muito felizes: o suspeito de terrorismo [Jaber] Albakr foi detido durante a noite em Leipzig", disse a polícia através da rede social Twitter, acerca do suspeito de 22 anos.

A polícia encontrou no sábado centenas de gramas de uma "substância explosiva mais perigosa que TNT" escondida no apartamento de Albakr e disse que "até uma pequena quantidade (...) podia ter causado enormes danos".

A imprensa local reportou que o material era TATP, peróxido de acetona, um explosivo artesanal usado pelos extremistas nos ataques a Paris e Bruxelas. O peróxido de acetona é uma substância altamente explosiva, que pode ser fabricada com materiais como o ácido sulfúrico, peróxido de hidrogénio (água oxigenada) e acetona.

Acredita-se que Albakr tenha tido contacto, através da Internet, com o grupo extremista Estado Islâmico, segundo o jornal Sueddeutsche Zeitung.

Após uma denúncia da agência de serviços secretos alemã, a polícia tentou capturar o homem sírio no sábado de manhã, no seu apartamento na cidade de Chemnitz, a 85 quilómetros de Leipzig.

No entanto, Albakr conseguiu fugir à polícia. Acabou por ser apanhado depois de as autoridades terem a informação de que tinha pedido ajuda a dois sírios em Leipzig, segundo o Spiegel Online.

A polícia deteve-o na madrugada de hoje no apartamento desses dois indivíduos.

A polícia, que agendou para hoje uma conferência de imprensa, deteve três pessoas no sábado e outra no domingo, todas relacionadas com o suspeito.

Apenas um está em prisão preventiva, acusado de ser cúmplice da preparação de um ato violento para pôr em perigo a segurança do Estado.

Durante a procura pelo suspeito, as medidas de segurança foram elevadas em "infraestruturas críticas" de todo o país, uma denominação que inclui estações de comboio e aeroportos, como os de Berlim, cidade a cerca de 250 quilómetros de Chemnitz.

A Alemanha sofreu dois ataques extremistas em julho, ambos levados a cabo por requerentes de asilo, em que morreram dois terroristas e 20 pessoas ficaram feridas.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02