sicnot

Perfil

Mundo

Tempestades causarão mais inundações em Nova Iorque nas próximas décadas

Violentas cheias causadas por grandes tempestades, à escala do furacão Sandy em 2012, deverão aumentar acentuadamente nas próximas décadas na área da cidade de Nova Iorque, indicaram esta segunda-feira investigadores.

Usando modelos em computador para combinar a subida do nível do mar e velocidade da tempestade - inundações causadas por um ciclone - uma equipa de investigadores concluiu que tais eventos se tornarão cada vez mais frequentes nos próximos anos.

"O pior cenário aponta para uma frequência 17 vezes maior quando se chegar a 2100", refere o estudo publicado na edição de 10 de outubro dos "Proceedings of the National Academy of Sciences".

No mínimo, tais tempestades tornar-se-ão três ou quatro vezes mais frequentes, prevê o estudo realizado por investigadores das universidades de Princeton e Rutgers e do Instituto Oceanográfico Woods Hole.

O furacão Sandy desencadeou inundações que atingiram os três metros de altura em toda a área costeira de Nova Iorque e Nova Jérsia e é considerado o segundo furacão com custos mais elevados da história dos Estados Unidos, tendo causado cerca de 71 mil milhões de dólares em danos materiais e 157 mortes. Aquele que teve os custos mais elevados foi o Katrina, em 2005.

Se a subida da água do mar se mantivesse ao nível de 2000, tempestades como o Sandy aconteceriam apenas de cerca de 400 em 400 anos, segundo o estudo.

Mas espera-se que a subida do nível do mar aumente significativamente nas próximas décadas, e as tempestades poderão também tornar-se mais violentas num planeta em aquecimento.

"Em matéria de engenharia, sempre considerámos o nível do mar e o clima como sendo estáticos. Mas agora temos de ter em conta as alterações ao longo do tempo", disse o principal autor do estudo, Ning Lin, professor de Engenharia Civil e Ambiental em Princeton.

"Se não contarmos com o aumento do nível do mar e possível mudança na formação de tempestades, estaremos a subestimar futuros riscos de inundações", defendeu.

A metodologia do estudo poderá também ser aplicada a outras cidades costeiras.

"A grande novidade é que as coisas vão piorar até 2100", disse o coautor Benjamin Horton, professor de Ciências Marinhas e Costeiras em Rutgers.

"Mesmo que nada mude relativamente aos furacões, a subida do nível do mar aumentará, por si só, a frequência de eventos semelhantes ao Sandy até 2100", concluiu.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa