sicnot

Perfil

Mundo

Continuam confrontos entre estudantes e polícia na África do Sul

© Reuters

A África do Sul viveu esta terça-feira mais uma jornada de violência, com confrontos entre estudantes que exigem ensino superior gratuito e a polícia destacada nos campus universitários do país, onde se registaram muitos feridos e detenções.

Os piores incidentes ocorreram na Universidade de Witwatersrand (Wits) de Joanesburgo, onde a polícia dispersou os manifestantes com balas de borracha e gás lacrimogéneo depois de estes atacarem com pedras os seguranças privados do campus.

A direção de Wits entregou à polícia o controlo da universidade, tendo as aulas decorrido com centenas de agentes antimotim a patrulhar o campus fortemente armados.

O reitor, Adam Habib, recorreu às forças da ordem para garantir que os estudantes poderão concluir os respetivos cursos académicos, cujos últimos exames estão marcados para finais deste mês.

Polícias e ativistas do movimento Fees Must Fall (Abaixo as Propinas), que exige em vários pontos do país ensino superior grátis, enfrentaram-se também na Cape Peninsula University of Technology (CPUT), na Cidade do Cabo, onde pelo menos três alunos foram detidos.

Segundo fontes da associação de estudantes da CPUT, pelo menos 12 estudantes ficaram feridos nos distúrbios.

As universidades de Free State (UFS), Western Cape (UWC) e Cidade do Cabo (UCT) continuam encerradas devido aos protestos.

As manifestações na Universidade de Wits terminaram na segunda-feira à noite com fogueiras, pilhagens e pedradas contra os automóveis no centro de Joanesburgo, onde a política usou balas de borracha para fazer recuar os estudantes violentos.

Esta onda de protestos começou a 19 de setembro, quando o Governo anunciou um aumento do preço das matrículas de até 8%.

O movimento Fees Must Fall já conseguiu, em outubro do ano passado, que o Governo revogasse o aumento de mais de 10% previsto para as matrículas dos cursos que agora decorrem.

Milhares de estudantes concentraram-se, então, em frente às sedes do parlamento e da Presidência, e as autoridades acabaram por ceder às suas exigências e cancelaram os aumentos das propinas.

Além de ensino gratuito para todos, os ativistas exigem uma universidade "descolonizada" e a melhoria das condições do pessoal não académico dos campus.

Os líderes do movimento comprometeram-se a continuar a interromper as aulas até que consigam satisfazer os seus objetivos.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.