sicnot

Perfil

Mundo

Governo iraquiano acusa Presidente turco de deitar óleo na fogueira

O Governo iraquiano acusou esta terça-feira o Presidente da Turquia de "deitar óleo na fogueira" e Ancara de falta de seriedade no contencioso sobre a presença de tropas turcas no Iraque.

Erdogan "está a deitar óleo na fogueira" com as suas últimas declarações, disse Saad al-Hadithi, porta-voz do primeiro-ministro iraquiano, em declarações à agência noticiosa France-Presse, acrescentando que as respostas da Turquia tornaram uma questão em torno da lei e da segurança num "problema de natureza pessoal".

O responsável iraquiano reagia a declarações prévias do Presidente turco, que criticou de forma particularmente assertiva o primeiro-ministro iraquiano Haidar al-Abadi, aconselhando-o a "manter-se no seu lugar" após as suas críticas contra a presença militar turca no Iraque.

"Ele insulta-me pessoalmente. Tu não és o meu interlocutor, tu não estás ao meu nível", frisou Erdogan, no decurso de uma intervenção em Istambul transmitida pela televisão.

"Parece que a Turquia não está a ser séria com o Iraque na resolução do problema", acentuou Hadithi.

O primeiro-ministro iraquiano tem apelado à Turquia para retirar as suas tropas estacionadas perto de Mossul (norte), e referiu que não vão desempenhar qualquer função na operação em preparação e destinada a retomar a cidade aos 'jihadistas' do grupo Estado Islâmico (EI).

A Turquia tem ignorado estes pedidos e na semana passada o primeiro-ministro Binali Yildirim disse que as forças turcas vão permanecer na região de Mossul "para além do que disser o Governo iraquiano em Bagdad".

O contencioso entre as duas capitais prolonga-se há quase um ano e agravou-se quando o parlamento turco decidiu prolongar o mandato sobre a presença militar turca no Iraque por mais um ano.

Desde a década de 1990 que a Turquia mantém tropas deslocadas no norte do Iraque, em zonas que integram a região autónoma curda do Iraque, que também abrange a área perto de Mossul onde estão presentes as forças turcas.

Na prática, as forças de segurança curdas não estão sob o comando de Abadi, o que significa que o apelo para a retirada turca e a pressão sobre os aliados para garantir esse desfecho constitui de momento o seu principal recurso.

O Iraque apelou para uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para abordar este contencioso, que ameaça complicar os planos para a reconquista de Mossul ao EI.

As tropas iraquianas, apoiadas por conselheiros e forças especiais norte-americanas, preparam atualmente a ofensiva sobre Mossul, mas o início da operação tem registado sucessivos adiamentos.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15