sicnot

Perfil

Mundo

Guillermo Fariñas adverte para perigo de guerra civil em Cuba

O dissidente cubano Guillermo Fariñas advertiu esta terça-feira para o perigo de uma guerra civil em Cuba caso o futuro acordo de diálogo político firmado entre Havana e a União Europeia não fique condicionado ao respeito pelos Direitos Humanos.

"Tenho medo que Cuba termine numa guerra civil, como na Síria ou na Líbia. Todas as condições políticas, económicas e sociais estão criadas para isso", afirmou o dissidente, numa entrevista à agência noticiosa espanhola EFE nas instalações do Parlamento Europeu (PE) em Bruxelas.

O dissidente e jornalista cubano Guillermo "El Coco" Fariñas, que cumpriu até à data 25 greves de fome e esteve preso mais de 11 anos, vai comparecer na quarta-feira na subcomissão de Direitos Humanos do PE.

"Viemos procurar a vergonha, a ética e a moral dos eurodeputados. Querem o melhor para Cuba, mas temos a impressão que estão a ser manipulados pelo Governo cubano, que é muito hábil em dar a impressão de que existiram mudanças quando na realidade não aconteceu nada", disse Fariñas, que em 2010 foi distinguido com o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, galardão atribuído anualmente pelo PE.

"Acredito que se os dois grandes blocos políticos democráticos do mundo, a UE e os Estados Unidos, não começarem a colocar diretivas ao Governo cubano (...) com vista à democracia, irá acontecer uma cadeia de explosões sociais, porque existe muito ódio acumulado, que levará a uma guerra civil. Devemos procurar uma solução negociada", prosseguiu o jornalista.

A UE espera concluir antes do fim de 2016 o processo de um acordo bilateral com Cuba que defina um novo quadro das relações com este país latino-americano, o único daquela região que não tem um acordo de cooperação com o bloco comunitário.

Europeus e cubanos iniciaram negociações para o seu primeiro acordo bilateral em abril de 2014 e, uma vez concluídas, o pacto foi assinado em março deste ano numa cerimónia em Havana.

A UE suspendeu relações com Cuba em 2003, na sequência da repressão exercida sobre jornalistas e ativistas e, desde 1996, usava a chamada "posição comum", um instrumento diplomático para criar exceções na sua política externa e que impede o diálogo com países que não respeitam os Direitos Humanos.

O objetivo das recentes negociações foi abrir uma nova etapa nas relações entre Bruxelas e Havana e superar a chamada "posição comum", que foi impulsionada em 1996 pelo Governo espanhol do então primeiro-ministro conservador José María Aznar.

As autoridades de Havana sempre consideraram esta política como um obstáculo para uma relação plena com a UE.

Em setembro último, a Comissão Europeia propôs aos Estados-membros da UE apoiarem o acordo de cooperação e de diálogo político com a ilha caribenha. Em paralelo, Bruxelas e Havana iniciaram um diálogo formal sobre Direitos Humanos.

"Somos favoráveis a um acordo e ao envolvimento da UE na questão cubana. Mas acreditamos que quando se está a negociar com malfeitores" existe a necessidade de colocar "prazos para cumprir em matéria de Direitos Humanos", frisou o dissidente, defendendo que o acordo deve ter em consideração aspetos como a libertação de presos políticos, a legalização de outros partidos políticos e a criação de uma lei eleitoral democrática.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.