sicnot

Perfil

Mundo

Guillermo Fariñas adverte para perigo de guerra civil em Cuba

O dissidente cubano Guillermo Fariñas advertiu esta terça-feira para o perigo de uma guerra civil em Cuba caso o futuro acordo de diálogo político firmado entre Havana e a União Europeia não fique condicionado ao respeito pelos Direitos Humanos.

"Tenho medo que Cuba termine numa guerra civil, como na Síria ou na Líbia. Todas as condições políticas, económicas e sociais estão criadas para isso", afirmou o dissidente, numa entrevista à agência noticiosa espanhola EFE nas instalações do Parlamento Europeu (PE) em Bruxelas.

O dissidente e jornalista cubano Guillermo "El Coco" Fariñas, que cumpriu até à data 25 greves de fome e esteve preso mais de 11 anos, vai comparecer na quarta-feira na subcomissão de Direitos Humanos do PE.

"Viemos procurar a vergonha, a ética e a moral dos eurodeputados. Querem o melhor para Cuba, mas temos a impressão que estão a ser manipulados pelo Governo cubano, que é muito hábil em dar a impressão de que existiram mudanças quando na realidade não aconteceu nada", disse Fariñas, que em 2010 foi distinguido com o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, galardão atribuído anualmente pelo PE.

"Acredito que se os dois grandes blocos políticos democráticos do mundo, a UE e os Estados Unidos, não começarem a colocar diretivas ao Governo cubano (...) com vista à democracia, irá acontecer uma cadeia de explosões sociais, porque existe muito ódio acumulado, que levará a uma guerra civil. Devemos procurar uma solução negociada", prosseguiu o jornalista.

A UE espera concluir antes do fim de 2016 o processo de um acordo bilateral com Cuba que defina um novo quadro das relações com este país latino-americano, o único daquela região que não tem um acordo de cooperação com o bloco comunitário.

Europeus e cubanos iniciaram negociações para o seu primeiro acordo bilateral em abril de 2014 e, uma vez concluídas, o pacto foi assinado em março deste ano numa cerimónia em Havana.

A UE suspendeu relações com Cuba em 2003, na sequência da repressão exercida sobre jornalistas e ativistas e, desde 1996, usava a chamada "posição comum", um instrumento diplomático para criar exceções na sua política externa e que impede o diálogo com países que não respeitam os Direitos Humanos.

O objetivo das recentes negociações foi abrir uma nova etapa nas relações entre Bruxelas e Havana e superar a chamada "posição comum", que foi impulsionada em 1996 pelo Governo espanhol do então primeiro-ministro conservador José María Aznar.

As autoridades de Havana sempre consideraram esta política como um obstáculo para uma relação plena com a UE.

Em setembro último, a Comissão Europeia propôs aos Estados-membros da UE apoiarem o acordo de cooperação e de diálogo político com a ilha caribenha. Em paralelo, Bruxelas e Havana iniciaram um diálogo formal sobre Direitos Humanos.

"Somos favoráveis a um acordo e ao envolvimento da UE na questão cubana. Mas acreditamos que quando se está a negociar com malfeitores" existe a necessidade de colocar "prazos para cumprir em matéria de Direitos Humanos", frisou o dissidente, defendendo que o acordo deve ter em consideração aspetos como a libertação de presos políticos, a legalização de outros partidos políticos e a criação de uma lei eleitoral democrática.

Lusa

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.