sicnot

Perfil

Mundo

OMS apela à tributação de bebidas açucaradas para reduzir obesidade e diabetes

© Lucas Jackson / Reuters

A Organização Mundial de Saúde (OMS) apelou hoje à tributação das bebidas açucaradas como forma de reduzir o consumo e os seus impactos na saúde, nomeadamente no aumento da obesidade, da diabetes e das cáries dentárias.

Numa altura em que se discute, em Portugal, a eventual introdução de um 'fat tax', um imposto sobre produtos alimentares que prejudicam a saúde, a OMS estima que uma política fiscal que aumente, pelo menos em 20%, o preço a retalho das bebidas açucaradas resultará numa redução proporcional do consumo desses produtos.

Os dados constam de um relatório intitulado "Políticas fiscais para a Dieta e a Prevenção de Doenças Não Transmissíveis", citado num comunicado hoje divulgado pela agência das Nações Unidas para a Saúde.

Segundo o documento, a redução do consumo de bebidas açucaradas significa uma menor ingestão de "açúcares livres" e de calorias, uma melhoria nutricional e uma queda do número de pessoas a sofrer de excesso de peso, obesidade, diabetes e cáries dentárias.

Os açúcares livres são monossacarídeos (como a glucose e a frutose) e dissacarídeos (como a sacarose ou o açúcar de mesa) adicionados aos alimentos e bebidas pelo fabricante, cozinheiro ou consumidor, assim como os açúcares naturalmente presentes no mel, xaropes, sumos de fruta e sumos de fruta concentrados.

"O consumo de açúcares livres, incluindo produtos como bebidas açucaradas, é um fator importante no aumento global da obesidade e da diabetes", disse Douglas Bettcher, diretor do departamento de prevenção de doenças não-transmissíveis da OMS, citado no comunicado.

"Se os governos taxarem produtos como as bebidas açucaradas, podem reduzir o sofrimento e salvar vidas. Podem também reduzir os custos da saúde e aumentar receitas para investir nos serviços de saúde", acrescentou.

A OMS recorda que em 2014 mais de um em cada três (39%) adultos em todo o mundo tinha excesso de peso e que a prevalência global da obesidade mais do que duplicou desde 1980, com 11% dos homens e 15% das mulheres atualmente considerados obesos.

Estima-se também que 42 milhões de crianças com menos de cinco anos tenham excesso de peso ou obesidade, um aumento de cerca de 11 milhões nos últimos 15 anos.

Também o número de pessoas a viver com diabetes tem vindo a aumentar, de 108 milhões em 1980 para 422 milhões em 2014 e estima-se que a doença tenha sido diretamente responsável por 1,5 milhões de mortes só em 2012.

"Nutricionalmente, as pessoas não precisam de qualquer açúcar na sua dieta. A OMS recomenda que, se as pessoas consumirem açúcares livres, mantenham a sua ingestão abaixo de 10% de todas as suas necessidades energéticas, reduzindo-a abaixo dos 5% para benefícios sanitários adicionais. Isto equivale a menos de uma dose (250 ml) diária de uma das bebidas açucaradas normalmente consumidas", disse Francesco Branca, diretor do departamento de Nutrição para a Saúde e o Desenvolvimento na OMS.

Além de propor a tributação dos alimentos e bebidas para os quais existem alternativas mais saudáveis, o relatório agora divulgado sugere a concessão de subsídios aos legumes e frutas frescas que permitam reduzir os preços em 10 a 30% para aumentar o seu consumo.

A OMS cita o exemplo do México, que já aplicou um imposto sobre o consumo de bebidas não alcoólicas com açúcar adicionado, e a Hungria, que impôs um imposto sobre produtos com elevados níveis de açúcar, sal ou cafeína.

Em Portugal, o governo planeia introduzir uma taxa do género, que o Jornal de Negócios diz hoje dever recair apenas sobre refrigerantes, deixando de fora outros produtos, como sumos, néctares e bebidas doces à base de leite, ou alimentos com excesso de sal, açúcar ou gorduras.

O plano em cima da mesa é que existam dois escalões, até um máximo de 16,44 cêntimos por litro, o que significa mais cinco cêntimos numa lata de bebida, escreve aquele diário.

Lusa

  • Jorge Sampaio dá as boas-vindas a 54 estudantes sírios que chegaram esta madrugada a Lisboa
    0:30

    País

    O avião da Força Aérea Portuguesa vindo de Beirute aterrou no Aeroporto Militar Figo Maduro, em Lisboa, às 4h30. Estes estudantes vão, numa primeira fase, frequentar um curso intensivo de português. Depois serão integrados em universidades e politécnicos de Lisboa, no âmbito do programa de bolsas de estudo de emergência para estudantes sírios dirigido por Jorge Sampaio.

  • Carlos César promete reforço da transparência de titulares de cargos políticos
    2:13

    País

    O recém re-eleito presidente do PS apontou reforço da transparência de titulares de cargos políticos como uma das prioridades do partido, no discurso que fez esta mmanhã no congresso socialista. Enquanto isso, à porta do Centro de Exposições da Batalha, lesados do BES esperavam Costa e César para exigir o cumprimento de promessa.

  • "Acabámos com o mito de que é a direita que sabe governar as finanças públicas"
    2:15
  • Conselhos sobre as novas regras de proteção de dados 
    2:08
  • Protestos em Gaza vão continuar promete Hamas
    1:19

    Mundo

    Na fronteira da Faixa de Gaza com Israel, dezenas de palestinianos ficaram feridos noutra sexta-feira de protesto contra o bloqueio israelita. O Hamas que controla o território diz que as manifestações vão continuar apesar da repressão.

  • Jogo é a 3.000 km de Madrid mas em Santiago de Bernabéu está tudo a postos para a festa
    1:49
  • Restaurantes para grávidas, rooftops e uma viagem pelo Douro vinhateiro
    12:58