sicnot

Perfil

Mundo

Proposta de reunião sobre a Síria leva Putin a cancelar vista a França

O Presidente russo, Vladimir Putin, cancelou a visita a França, prevista para a próxima semana, informou o Kremlin depois do Eliseu propor uma "reunião de trabalho" sobre a Síria com François Hollande, disseram hoje responsáveis franceses.

A Presidência francesa informou o Kremlin de que Hollande apenas receberia Putin durante a sua deslocação a França para uma "reunião de trabalho" sobre a Síria e a Rússia "fez saber que queria adiar a visita", disse o Palácio do Eliseu (residência oficial do chefe de Estado francês) à agência France Presse.

A visita a França do Presidente russo, principalmente privada, estava prevista há muito, dado que Putin deveria inaugurar em Paris um "Centro espiritual e cultural ortodoxo russo", que integra uma catedral ortodoxa.

Na semana passada, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, indicou que Vladimir Putin se reuniria em Paris a 19 de outubro com o seu homólogo francês para falarem sobre o conflito na Síria e a crise ucraniana.

Mas François Hollande declarou no sábado que se tinha questionado sobre a possibilidade de o receber devido aos "crimes de guerra" cometidos pelo regime de Bashar al-Assad em Alepo com o apoio da aviação russa.

O chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault, advertiu na segunda-feira que François Hollande diria "verdades" ao seu homólogo russo se decidisse recebê-lo a 19 de outubro.

A Rússia vetou no sábado nas Nações Unidas a resolução francesa apelando ao fim dos bombardeamentos sobre Alepo.

Com Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32