sicnot

Perfil

Mundo

Estradas europeias terão 500 mil carros elétricos no fim de 2016

As estradas europeias terão 500 mil veículos elétricos no final de 2016, depois das vendas terem duplicado no ano passado, apesar de representarem 1% do mercado, enquanto em Portugal somente 0,7% dos carros novos vendidos são elétricos.

Um estudo da Federação Europeia de Transportes e Ambiente, divulgado pelas associações ambientalistas portuguesas Quercus e Associação Sistema Terrestre Sustentável - Zero, revela que, em 2015, "as vendas de carros elétricos atingiram o importante nível de 1% de quota de mercado" tendo duplicado relativamente ao ano anterior, ao atingir 144 mil.

As previsões referidas pela organização europeia apontam para vendas de 200 mil carros este ano "elevando o número total de veículos elétricos nas estradas para mais de 500 mil", sendo a Europa o segundo mercado, com destaque para a Noruega e a Holanda.

Existem diferenças entre os Estados membros nesta área e em alguns países não há praticamente vendas ou infraestruturas de recarga devido à falta de incentivos, nomeadamente a nível político, alerta a federação.

Esta situação, salienta, "tem de mudar, se a Europa pretende tornar-se líder da mobilidade elétrica e, em particular, competir com a China".

Em Portugal, salienta a Zero, "a falta de incentivos à mobilidade elétrica por comparação com outros países tem conduzido a uma percentagem reduzida de vendas de automóveis elétricos" e, até final de agosto, "tinham sido vendidos 1.148 veículos", ou seja, "0,7% dos veículos novos vendidos são elétricos".

A Quercus refere uma subida de 43% da venda de veículos 100% elétricos no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2015, e cita dados da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA) para realçar que este aumento foi ainda maior (de 103,5%), se for considerada a comercialização de todos os elétricos recarregáveis (incluindo também os híbridos 'plug-in', os veículos elétricos com extensão de autonomia e aqueles de célula de combustível).

Quanto à quota de mercado nacional, continua a Quercus, com base em informação da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), em 2015, as vendas de carros elétricos representaram 2,68% do total de ligeiros de passageiros comercializados, quando em 2014 tinham ficado nos 2,16%.

No ano passado, a Mitsubishi foi a marca que vendeu mais carros elétricos (28.175 veículos), ficando com 23% do total do mercado na Europa.

A federação estima que, em 2015, andavam nas estradas europeias entre cinco e oito milhões de bicicletas, motociclos ('scooters') e 'segways' elétricos, outras formas de transporte amigas do ambiente.

Os automóveis são responsáveis por 15% das emissões totais de dióxido de carbono da Europa e são a maior fonte de emissões no setor dos transportes, um dos mais problemáticos no que respeita à tarefa de combater as alterações climáticas.

A União Europeia exige que os fabricantes de automóveis limitem, até 2021, a média das emissões dos automóveis fabricados a um máximo de 95 gramas de dióxido de carbono, mas é esperado que a Comissão Europeia proponha limites mais restritos de emissões nos automóveis para 2025.

Lusa

  • Carro elétrico: quando compensa comprar?
    9:01

    Contas Poupança

    O preço dos combustíveis tem levado cada vez mais portugueses a optarem por alternativas mais baratas e amigas do ambiente. É o caso dos carros 100% elétricos, que consomem muito menos do que os carros a diesel, mas ainda têm muitas limitações. O Contas Poupança foi saber em que condições compensa comprar um carro elétrico.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.