sicnot

Perfil

Mundo

Papa apela a cessar-fogo imediato na Síria

Homem transporta uma das crianças que sobreviveu a um ataque aéreo na Síria.

© Khalil Ashawi / Reuters

O Papa Francisco apelou hoje a "um cessar-fogo imediato" na Síria que dure "pelo menos o tempo necessário" para retirar os civis vítimas dos bombardeamentos.

"É com um sentimento de urgência que renovo o meu apelo, implorando com todas as minhas forças aos responsáveis para que seja assegurado um cessar-fogo imediato, que seja imposto e respeitado, pelo menos o tempo necessário para permitir a retirada dos civis, antes de mais as crianças", declarou o Papa na sua audiência semanal na Praça de São Pedro.

Perante milhares de fiéis, Francisco sublinhou a sua "proximidade com todas as vítimas do conflito desumano na Síria".

Bombardeamentos sobre os bairros rebeldes da cidade de Alepo, os mais violentos dos últimos dias, mataram na terça-feira pelo menos 25 civis, enquanto cinco crianças morreram num ataque rebelde a uma escola no sul da Síria.

Em termos diplomáticos, a comunidade internacional continua incapaz de se entender acerca de uma iniciativa que permita parar os combates em Alepo, onde 250.000 pessoas estão sitiadas há vários meses na zona leste controlada pelos rebeldes.

Centenas de pessoas, na sua grande maioria civis, morreram em Alepo em bombardeamentos particularmente violentos desde o início a 22 de setembro de uma ofensiva do exército sírio, apoiado pelo seu aliado russo.

A 28 de setembro, o Papa afirmou que os responsáveis pelos bombardeamentos deveriam "prestar contas perante Deus".

Alepo tornou-se um dos símbolos da guerra que devasta a Síria desde 2011 e que já matou mais de 300.000 pessoas, tendo obrigado mais de metade da população a abandonar as suas casas.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01