sicnot

Perfil

Mundo

Passageiros obrigados a viajar ao lado de mulher morta

Por ser uma aeronave de menor dimensão, o procedimento neste tipo de situações passa por colocar a vítima no chão, numa fila vazia de bancos. Contudo, o voo estava lotado e a solução, assim, foi usar o espaço do corredor.

Twitter

Uma mulher de 50 anos morreu durante um voo da companhia aérea russa Azur, que fazia a ligação entre Antalya, na Turquia, e Moscovo. A vítima era diabética, faleceu apenas 45 minutos depois do avião levantar voo e o corpo foi deixado no corredor, tapado com um cobertor.

A vítima tinha deixado a insulina na bagagem do porão e, segundo o marido, tinha tomado uma dose uma hora antes do voo, pelo que terá pensado que não iria precisar de mais.

Contudo, o estado de saúde da mulher agravou-se e acabou mesmo por morrer após 45 minutos de uma viagem de cerca de 3 horas e meia.

O piloto rejeitou fazer uma aterragem de emergência e a viagem só terminou em Moscovo, com o cadáver deitado no corredor, tapado com um cobertor.

Por ser uma aeronave de menor dimensão, o procedimento neste tipo de situações passa por colocar a vítima no chão, numa fila vazia de bancos. Contudo, o voo estava lotado e a solução, assim, foi usar o espaço do corredor.

Em declarações ao jornal britânico Express, um porta-voz da Autoridade de Aviação Civil reiterou que "é essencial que passageiros diabéticos transportem consigo a medicação e o equipamento médico necessário na bagagem de mão".

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.