sicnot

Perfil

Mundo

30% dos europeus com consumo excessivo de álcool pelo menos uma vez por mês

Mais de 20% dos homens e 10% das mulheres europeias têm um consumo de risco de álcool, pelo menos uma vez por mês, alertam os participantes numa conferência sobre o tema que decorre hoje e sexta-feira em Lisboa.

No trabalho a ser apresentado, um estudo europeu, salienta-se também que entre 40 a 50% dos participantes nesse estudo apoiam medidas de controlo do álcool, como preços elevados, restrições do número de locais de venda, restrições de publicidade e testes aleatórios a condutores.

"Cerca de um quinto dos europeus representados no estudo coabitaram com um consumidor excessivo na sua infância ou adolescência e aproximadamente metade das pessoas referem ter sido negativamente afetados por essa pessoa. Quase 30% dos entrevistados referiram ter sido lesados por um consumidor excessivo, nos últimos 12 meses", diz um comunicado da organização.

A conferência junta nomeadamente eurodeputados e responsáveis pela área da Saúde de vários países e é organizada pela Ação Comum Europeia para a Redução dos Efeitos Nocivos do Álcool (RARHA), uma iniciativa dos Estados membros da União Europeia.

O trabalho da RARHA decorreu entre 2014 e 2016, e envolveu 32 parceiros associados e 29 parceiros colaboradores de toda a União Europeia, a que se juntaram a Noruega, Suíça e Islândia.

Destinou-se a contribuir para um melhor conhecimento dos riscos associados ao consumo de álcool e formas de lidar com a questão, e a conferência final de Lisboa destina-se a apresentar os resultados desse trabalho, as suas análises e recomendações.

Segundo o comunicado da RARHA os resultados assentam na monitorização dos padrões de consumo e dos efeitos nocivos do álcool, nas linhas orientadoras para o consumo de baixo risco, e nos exemplos de boas práticas na Europa e construção de ferramentas para reduzir os efeitos nocivos do álcool.

Os responsáveis pelo trabalho sugerem uma harmonização europeia dos alertas para o consumo de álcool, "que contribua para a criação de mensagens mais alinhadas" e salientam a necessidade de se legislar para impor uma idade mínima de 18 anos para venda e consumo de bebidas alcoólicas em toda a União Europeia.

"Ações da Comissão Europeia são urgentemente necessárias para o fornecimento de informação aos consumidores sobre bebidas alcoólicas e para nivelar informação obrigatória sobre os alimentos", como os gramas de álcool puro contidos, sugere-se ainda no estudo europeu.

As questões serão debatidas nestes dois dias por organizações não-governamentais e representantes de entidades, como a Organização Mundial de Saúde. Presente também Vytenis Andriukaitis, comissário Europeu da Saúde e da Segurança Alimentar, e, no encerramento, o ministro da Saúde de Portugal, Adalberto Campos Fernandes.

O álcool é, lembra-se no comunicado, a terceira causa de morte prematura na União Europeia, onde os custos diretos através de cuidados de saúde, crime, policiamento, acidentes e perdas de produtividade foram de 155 mil milhões de euros em 2010.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.