sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional pede a Obama que dê prioridade aos direitos humanos

A Amnistia Internacional apelou ao Presidente norte-americano para que aposte nos direitos humanos nos últimos 100 dias de mandato, com o encerramento de Guantánamo, a proteção de refugiados e o fim da venda de armas usadas contra civis.

Barack Obama tem "uma cada vez mais pequena janela de oportunidade para fazer valer algumas das promessas que fez quando assumiu o cargo", e deve "elevar os direitos humanos a uma prioridade antes de sair" da Casa Branca, defende, num comunicado hoje divulgado, Margaret Huang, diretora executiva da secção norte-americana da Amnistia Internacional (AI).

A organização não-governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos refere que Obama deve encerrar a prisão de Guantánamo, onde permanecem 61 detidos, alguns há 14 anos e sem acusação formal.

"Se o Presidente Obama não fechar Guantánamo antes de terminar o mandato, [a prisão] pode nunca fechar", avisa Huang, que considera aquele local um símbolo de "violações sistemáticas de direitos humanos internacionais" e receia que possa mesmo vir a ser utilizado para receber novos prisioneiros.

Outra medida que a ONG reclama é a proteção de refugiados e requerentes de asilo que fogem da violência, causada por gangues, da Guatemala, El Salvador e Honduras.

"Não é suficiente confiar a segurança de milhares de pessoas ao próximo Presidente. O Presidente Obama deve garantir refúgio àqueles que fogem da violência e conceder proteção temporária" aos que já estão nos Estados Unidos, afirma a responsável da organização.

Por fim, a Amnistia Internacional afirma que Washington continua a vender armas à Arábia Saudita, Egito, Israel e outros aliados no Médio Oriente, "apesar de provas de que estas armas são usadas para cometer violações de direitos humanos e lei humanitária internacional".

"O Presidente Obama pode garantir que isto para na sua administração, impondo condições mais rígidas sobre ajuda militar, com o objetivo de chegar a um embargo em qualquer país onde armas norte-americanas têm sido usadas para violar direitos humanos", acrescentou a diretora da AI dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos elegem a 08 de novembro o seu próximo Presidente, o 45.º da história norte-americana e o sucessor de Barack Obama, num ato eleitoral disputado pela primeira mulher candidata de um grande partido, Hillary Clinton (democrata), e pelo magnata do imobiliário Donald Trump (republicano).

Lusa

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.

  • Mouchão da Póvoa em risco de desaparecer
    1:58

    País

    A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira alerta para o risco de desaparecimento do Mouchão da Póvoa, uma dos três mouchões do Tejo, no concelho. Em causa está a falta de autorização, pedida à Agência Portuguesa do Ambiente, para uma intervenção de emergência nos diques.

  • Lixo, para que te quero?
    23:17
  • Tuk-tuk em protesto oferecem hoje passeios gratuitos em Lisboa

    País

    A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) promove hoje a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de tuk-tuk, para alertar a população para a "problemática" regulamentação municipal deste tipo de veículos.

  • Ricardo Robles apresentado como candidato do BE a Lisboa
    1:31

    Autárquicas 2017

    Ricardo Robles foi formalmente apresentado este sábado como candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa. No encerramento da convenção autárquica do partido, Catarina Martins fez críticas ao Governo, dizendo que o projeto de descentralização do Executivo é perigoso e ameaça a democracia.