sicnot

Perfil

Mundo

Aviões russos e sírios intensificam bombardeamentos em Alepo

​Aviões do regime de Damasco e da Rússia intensificaram hoje os bombardeamentos contra cidade de Alepo, no norte da Síria, depois dos ataques aéreos que fizeram 71 mortos, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

A organização não-governamental com sede em Londres referiu que se registaram hoje 20 ataques da aviação de combate da Rússia e do regime sírio.

Os bombardeamentos atingiram os bairros de Al Sajur, Bustan al Basr, Al Firdus, Al Qataryi, Al Misir, Al Helik, Al Ansari Oriental, Qadi Askar, Al Haidaria e Al Kasala.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, o Exército sírio recuperou hoje o controlo de vários pontos localizados no norte da cidade de Alepo.

As Forças Armadas de Damasco voltaram a controlar várias colinas do distrito de Al Brich, no norte da cidade, onde se registavam fortes combates entre os soldados sírios e grupos de extremistas e de rebeldes que lutam contra o regime de Al-Assad.

Por outro lado, a agência de notícias oficial Síria, SANA, noticiou que os grupos de insurgentes atacaram áreas sob controlo das autoridades de Damasco.

O ataque - que atingiu uma escola - provocou a morte de duas crianças e fez ainda cinco feridos.

Nas últimas 24 horas, morreram mais de 70 pessoas, vítimas dos bombardeamentos russos e sírios.

Lusa

  • Criança resgatada dos escombros após ataque em Alepo
    0:24

    Mundo

    Um rapaz foi ontem resgatado pelo grupo de voluntários dos Capacetes Brancos após um ataque aéreo em Alepo, na Síria. Um vídeo amador mostra imagens da criança a ser retirada dos escombros pelas equipas de resgate. Depois o rapaz foi levado por estas equipas e não é conhecido o seu paradeiro. Várias crianças já foram resgatadas dos escombros pelos sucessivos bombardeamentos que atingem esta cidade.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05