sicnot

Perfil

Mundo

Holanda prepara suicídio assistido de idosos que sintam que a vida chegou ao fim

O Governo da Holanda está a preparar legislação para autorizar o suicídio assistido de pessoas idosas que sintam que a sua vida chegou ao fim, anunciaram hoje dois ministros.

"Pessoas que consideram, após profunda reflexão, que completaram a sua vida, devem ter a possibilidade, sob rigorosas condições, de pôr fim à vida da forma digna que escolherem", afirmaram os ministros da Saúde e da Justiça holandeses numa declaração conjunta.

A legislação em preparação considera que a convicção de "ter completado a própria vida é sentida sobretudo pelos idosos", pelo que a autorização se lhes reserva, explicaram os ministros, sem contudo especificar qualquer idade.

Trata-se de pessoas que "já não veem qualquer possibilidade de dar um sentido à sua vida, sentem profundamente a perda de independência e estão isoladas ou sós porque perderam um ente querido", afirmaram.

Pessoas, acrescentaram, que se sentem "dominadas por um cansaço absoluto e pela perda de amor-próprio", mas que "para poderem pôr fim às suas vidas, precisam de ajuda".

A Holanda permite a eutanásia desde 2002, ano em que, com a Bélgica, se tornou um dos dois primeiros países a autorizar a morte assistida de doentes incuráveis.

A legislação em vigor prevê que um mínimo de dois médicos certifique que não há qualquer alternativa razoável para o doente e que o sofrimento deste "é insuportável e sem qualquer esperança de melhora".

Mas diferentes interpretações da lei têm suscitado polémica, sobretudo depois de menores de idade com doenças terminais terem sido autorizados a escolher a eutanásia e certas doenças mentais, como a demência, terem sido consideradas "sofrimento insuportável".

Em 2015, a Holanda registou 5.516 casos de eutanásia, correspondentes a 3,9% de todas as mortes.

Mais de 70% dos que optaram pela eutanásia sofriam de cancro e 2,9% de demência ou de doenças psiquiátricas.

O novo quadro legal deverá prever que um "assistente na morte" -- alguém com formação médica -- só possa autorizar o suicídio assistido depois de se certificar de que nenhum tratamento pode superar o "desejo de morrer".

A conformidade do caso com a lei tem depois de ser validada por uma comissão de especialistas.

Apesar de o suicídio assistido não ser legal, em 2013, um holandês que confessou ter ajudado a mãe de 99 anos a morrer não foi punido porque os juízes consideraram que "agiu por amor".

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.