sicnot

Perfil

Mundo

Milhares nas ruas de Bogotá para pedir paz na Colômbia

Milhares de pessoas manifestaram-se na quarta-feira na capital da Colômbia, Bogotá, para pedir a paz no país e que seja aplicado o acordo assinado entre o Governo e a guerrilha das FARC, rejeitado num referendo.

Segundo a agência de notícias EFE, a "marcha das flores" reuniu cerca de dez mil pessoas e entre os manifestantes estavam vítimas do conflito armado que durou mais de 50 anos.

Os participantes gritaram frases como "nem um menino, nem uma menina, nem um beijo para a guerra", "acordo assinado, acordo respeitado" ou "porque o povo merece, o acordo permanece".

A "marcha das flores" foi convocada pela Organização Nacional dos Indígenas da Colômbia, pela Federação Colombiana de Educadores e por reitores das universidades e outras instituições de educação da cidade.

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, acompanhou os manifestantes durante alguns minutos e reiterou o seu empenho em que "este processo continue e se consolide".

Os colombianos rejeitaram a 02 de outubro, num referendo, o acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), com o "não" a reunir 50,21% dos votos.

O acordo foi assinado a 26 de setembro pelo Presidente da Colômbia e o líder da guerrilha, Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko.

© John Vizcaino / Reuters

Na semana passada já tinha havido outra manifestação com milhares de pessoas em Bogotá para pedir a paz e um grupo de jovens mantém-se acampado desde então em frente da Catedral Primada, na praça Bolívar, a principal praça da cidade.

Ainda na quarta-feira, à noite, Juan Manuel Santos fez uma declaração ao país pela televisão em que garantiu que continua a dialogar com setores e organizações da sociedade "para avançar na união nacional para a paz".

Juan Manuel Santos foi este mês distinguido com o prémio Nobel da Paz por causa do acordo de paz que conseguiu com as FARC.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.