sicnot

Perfil

Mundo

Milhares nas ruas de Bogotá para pedir paz na Colômbia

Milhares de pessoas manifestaram-se na quarta-feira na capital da Colômbia, Bogotá, para pedir a paz no país e que seja aplicado o acordo assinado entre o Governo e a guerrilha das FARC, rejeitado num referendo.

Segundo a agência de notícias EFE, a "marcha das flores" reuniu cerca de dez mil pessoas e entre os manifestantes estavam vítimas do conflito armado que durou mais de 50 anos.

Os participantes gritaram frases como "nem um menino, nem uma menina, nem um beijo para a guerra", "acordo assinado, acordo respeitado" ou "porque o povo merece, o acordo permanece".

A "marcha das flores" foi convocada pela Organização Nacional dos Indígenas da Colômbia, pela Federação Colombiana de Educadores e por reitores das universidades e outras instituições de educação da cidade.

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, acompanhou os manifestantes durante alguns minutos e reiterou o seu empenho em que "este processo continue e se consolide".

Os colombianos rejeitaram a 02 de outubro, num referendo, o acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), com o "não" a reunir 50,21% dos votos.

O acordo foi assinado a 26 de setembro pelo Presidente da Colômbia e o líder da guerrilha, Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko.

© John Vizcaino / Reuters

Na semana passada já tinha havido outra manifestação com milhares de pessoas em Bogotá para pedir a paz e um grupo de jovens mantém-se acampado desde então em frente da Catedral Primada, na praça Bolívar, a principal praça da cidade.

Ainda na quarta-feira, à noite, Juan Manuel Santos fez uma declaração ao país pela televisão em que garantiu que continua a dialogar com setores e organizações da sociedade "para avançar na união nacional para a paz".

Juan Manuel Santos foi este mês distinguido com o prémio Nobel da Paz por causa do acordo de paz que conseguiu com as FARC.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.