sicnot

Perfil

Mundo

Minas mataram 12 pessoas em Angola no último semestre

O acionamento de minas provocou 12 mortos e nove feridos, nos últimos 06 meses, em três províncias de Angola, segundo números divulgados esta quinta-feira por operadores de desminagem.

Os dados foram apresentados durante um encontro da Comissão Nacional Intersectorial de Desminagem e Assistência Humanitária (CNIDAH) e os principais doadores da ação contra as minas em Angola.

Os incidentes causados pela detonação de minas antipessoal, antitanque e engenhos explosivos não detonados, foram registados nas províncias do Bié, Malange e Moxico.

Na província do Moxico foram registados em abril e junho dois acidentes com engenhos explosivos, com o resultado de dois mortos e sete feridos, enquanto, em agosto, a província de Malange notificou dois mortos e um ferido, pelo acionamento de uma mina antitanque.

No mês passado, na província do Bié, o acionamento de minas antitanque causaram a morte a oito pessoas e ferimento a uma outra.

Num dos casos, ocorrido a 01 de setembro, morreram sete pessoas da mesma família.

Angola, que prepara-se para submeter em março de 2017 o seu segundo pedido de extensão para concluir o seu trabalho de desminagem e ser considerado livre de minas, continua a ser um dos países mais afetados por minas junto com o Afeganistão e o Camboja.

O Governo angolano, que ratificou em 2002, a Convenção de Otava, solicitou em 2012 uma moratória de cinco anos para a continuação das suas operações de desminagem e segurança das zonas minadas e pretende uma nova extensão até 2025.

O país africano lusófono tem atualmente 1.858 áreas livres de minas e 1.435 por limpar, contando apenas com apoio financeiro dos Estados Unidos da América, Japão, Suíça e União Europeia.

No encontro de hoje, o presidente da CNIDAH, Santana André Pitra "Petroff", solicitou uma contribuição aos países doadores de 228.000 dólares (206.000 euros) para atualização das informações sobre as minas no país e 275 milhões de dólares (cerca de 250 milhões de euros) para o processo de desminagem, até 2025.

Lusa

  • Angola ainda tem de 1.283 áreas para desminar

    Mundo

    Angola desminou nos dois últimos anos 136 áreas do seu território, correspondente a 1,3 mil milhões de metros quadrados, mas tem ainda por limpar 1.283 áreas, incluindo estradas, quando escasseiam financiamentos para esse programa.

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.

  • "Estar na Web Summit foi dizer em empreendedorês: estamos vivos, estamos aqui!"

    Web Summit

    No seguimento da entrevista à blogger Sara Riobom, que conhecemos durante a WebSummit, trazemos a história de outro jovem português (que não trabalha sozinho) que esteve no evento, em Lisboa, a promover a sua startup. Quis o acaso e as peripécias do direto e do destino que acabasse por receber um visitante ilustre e especial no seu stand: nada mais nada menos do que o primeiro-ministro, António Costa. Recentemente estiveram no Shark Tank, onde conseguiram captar a atenção de um dos “tubarões” do programa da SIC. Mas o que queremos saber é…

    Martim Mariano