sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da África do Sul quer impedir saída de relatório sobre corrupção

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, apresentou um recurso na justiça para impedir a divulgação de um relatório oficial sobre a alegada influência de empresários sobre o chefe de Estado, anunciou esta quinta-feira o seu porta-voz.

"Sim, existe um recurso para interdição", afirmou à agência France Presse Bongani Nggulunga na véspera da prevista divulgação do relatório.

O inquérito da mediadora da República, Thuli Madonsela, visa particularmente a família Gupta, poderosa fratria de empresários de origem indiana suspeitos de terem intervindo junto do chefe de Estado para a nomeação de ministros ou de dirigentes de empresas públicas.

Zuma foi ouvido sobre o assunto durante quatro horas na passada quinta-feira pela mediadora.

O presidente reconhece a proximidade aos Gupta, cujo império vai do setor mineiro aos meios de comunicação social, passando pelo imobiliário e pela engenharia. Mas sempre assegurou ser o único a decidir sobre a atribuição das pastas ministeriais.

O recurso pedindo o adiamento da publicação do relatório será analisado pela justiça na terça-feira, indicou à AFP o porta-voz de Madonsela, Oupa Segwale.

A mediadora da República deixa oficialmente as suas funções no sábado, após um mandato de sete anos durante os quais mostrou determinação em combater a má utilização dos fundos públicos ao mais alto nível do Estado.

Madonsela conseguiu, após uma longa batalha judicial de dois anos, que o chefe de Estado reembolsasse uma parte do dinheiro público utilizado para renovar a sua propriedade privada. Em setembro, Zuma pagou ao Tesouro 7,8 milhões de rand (480.000 euros) por obras consideradas como sendo apenas para seu conforto pessoal.

A substituta de Madonsela, Busisiwe Mkhwebane, uma advogada que trabalhava no Ministério da Segurança do Estado, já deixou entender que os casos de corrupção na chefia do Estado não serão a sua prioridade.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32