sicnot

Perfil

Mundo

Príncipe da Tailândia pede tempo para a assumir o trono

O filho do rei da Tailândia pediu esta quinta-feira algum tempo antes de aceitar a sucessão ao trono, na sequência da morte do monarca Bhumibol Adulyadej, que reinou durante 70 anos, colocando a Tailândia num período de grande incerteza.

"Morreu tranquilamente no hospital Siriraj", anunciou em comunicado o palácio real. De imediato, todas as cadeias de televisão interromperam os seus programas, dando lugar a um ecrã cinzento, enquanto dezenas de pessoas se concentravam nas imediações do hospital.

Bhumibol Adulyadej, 88 anos, era considerado o único "cimento" de uma nação muito dividida politicamente e tinha um estatuto de semideus. Subiu ao trono em 1946 após a inexplicável morte de seu irmão, e muitos tailandeses nunca conheceram outro soberano.

Ao contrário de todas as expetativas, e algumas horas mais tarde, o príncipe herdeiro Maha Vajiralongkorn, de 64 anos, disse necessitar de tempo antes ocupar o lugar de seu pai.

"Foi recebido hoje em audiência real pelo príncipe herdeiro. Pediu tempo para se preparar antes de ser proclamado rei", declarou perante os jornalistas o chefe da junta militar que tomou o poder em 2014, general Prayut Chan-O-Cha.

O chefe da junta anunciou um período de luto de um ano e uma redução de todas as atividades de divertimento durante 30 dias. As televisões com emissões difundidas na Tailândia apenas poderão apresentar programas relacionados com a casa real, também no decurso dos próximos 30 dias.

Lusa

  • Morreu o rei da Tailândia

    Mundo

    O rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, morreu hoje aos 88 anos, anunciou o palácio real, num culminar de uma série de problemas de saúde que se arrastavam há quase um ano.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08