sicnot

Perfil

Mundo

Rússia oferece-se para garantir retirada segura de rebeldes de Alepo

A Rússia ofereceu-se esta quinta-feira para garantir a retirada segura dos rebeldes de Alepo, mas manteve os bombardeamentos de apoio à ofensiva das forças sírias contra a parte da cidade controlada por forças da oposição.

"Estamos prontos para garantir uma retirada segura dos rebeldes, com as suas armas, a livre passagem dos civis de e para a parte leste de Alepo e a entrega de ajuda humanitária", disse o general russo Serguei Rudskoi numa conferência de imprensa.

O responsável militar acrescentou em seguida estar disposto a "discutir qualquer iniciativa ou sugestão".

As forças militares russas tinham anunciado, no final de julho, a abertura de quatro corredores humanitários em volta de Alepo, segunda maior cidade da Síria, além de pontos de saída preexistentes.

Esses corredores, segundo Moscovo, permitiram na altura a saída de 169 civis e a rendição de 69 combatentes.

A nova proposta russa é feita a dois dias de conversações sobre a Síria, sábado em Lausanne, entre russos, norte-americanos e representantes de países da região.

A reunião será a primeira entre os chefes das diplomacias da Rússia e dos Estados Unidos, Serguei Lavrov e John Kerry, desde o anúncio por Washington, no início de outubro, do congelamento das negociações bilaterais devido ao fracasso do cessar-fogo negociado entre os dois países.

Um dia depois da reunião de Lausanne, no domingo, John Kerry vai a Londres para se reunir com "parceiros internacionais", uma provável referência às potências europeias aliadas dos Estados Unidos - Alemanha, França e Reino Unido.

Depois do fracasso do cessar-fogo na Síria, as forças do regime lançaram a 22 de setembro uma vasta ofensiva para expulsar os rebeldes que controlam a parte leste de Alepo.

Ao longo do dia de hoje, mais de duas dezenas de bombardeamentos visaram vários bairros rebeldes de Alepo, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que contabilizou a morte de pelo menos sete civis.

Na terça e na quarta-feira, segundo aquela organização não-governamental, foram mortos respetivamente 56 e 15 civis naquela parte da cidade.

A utilização de bombardeiros Su-24, disse o general russo, "permitiu garantir uma eficácia dos ataques de quase 100%".

Numa resposta indireta às acusações ocidentais de que a Rússia está a cometer "crimes de guerra" em Alepo, o general Rudskoi assegurou que "nenhum bombardeamento cego" foi conduzido pelas forças russas.

Lusa

  • Putin diz que Moscovo não cede a pressões sobre a Síria
    1:34

    Mundo

    A cada dia que passa, agrava-se a tensão entre a Rússia e o ocidente sobre a situação na Síria. Apesar disso, Vladimir Putin mantém-se firme no apoio a Damasco. O Presidente russo acusa o ocidente de não ter levado a sério o apoio russo à proposta do enviado da ONU à Síria. Já o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, acusou a Rússia pelos bombardeamentos e apelou a protestos contra Moscovo junto à embaixada em Londres.

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.