sicnot

Perfil

Mundo

Rússia oferece-se para garantir retirada segura de rebeldes de Alepo

A Rússia ofereceu-se esta quinta-feira para garantir a retirada segura dos rebeldes de Alepo, mas manteve os bombardeamentos de apoio à ofensiva das forças sírias contra a parte da cidade controlada por forças da oposição.

"Estamos prontos para garantir uma retirada segura dos rebeldes, com as suas armas, a livre passagem dos civis de e para a parte leste de Alepo e a entrega de ajuda humanitária", disse o general russo Serguei Rudskoi numa conferência de imprensa.

O responsável militar acrescentou em seguida estar disposto a "discutir qualquer iniciativa ou sugestão".

As forças militares russas tinham anunciado, no final de julho, a abertura de quatro corredores humanitários em volta de Alepo, segunda maior cidade da Síria, além de pontos de saída preexistentes.

Esses corredores, segundo Moscovo, permitiram na altura a saída de 169 civis e a rendição de 69 combatentes.

A nova proposta russa é feita a dois dias de conversações sobre a Síria, sábado em Lausanne, entre russos, norte-americanos e representantes de países da região.

A reunião será a primeira entre os chefes das diplomacias da Rússia e dos Estados Unidos, Serguei Lavrov e John Kerry, desde o anúncio por Washington, no início de outubro, do congelamento das negociações bilaterais devido ao fracasso do cessar-fogo negociado entre os dois países.

Um dia depois da reunião de Lausanne, no domingo, John Kerry vai a Londres para se reunir com "parceiros internacionais", uma provável referência às potências europeias aliadas dos Estados Unidos - Alemanha, França e Reino Unido.

Depois do fracasso do cessar-fogo na Síria, as forças do regime lançaram a 22 de setembro uma vasta ofensiva para expulsar os rebeldes que controlam a parte leste de Alepo.

Ao longo do dia de hoje, mais de duas dezenas de bombardeamentos visaram vários bairros rebeldes de Alepo, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que contabilizou a morte de pelo menos sete civis.

Na terça e na quarta-feira, segundo aquela organização não-governamental, foram mortos respetivamente 56 e 15 civis naquela parte da cidade.

A utilização de bombardeiros Su-24, disse o general russo, "permitiu garantir uma eficácia dos ataques de quase 100%".

Numa resposta indireta às acusações ocidentais de que a Rússia está a cometer "crimes de guerra" em Alepo, o general Rudskoi assegurou que "nenhum bombardeamento cego" foi conduzido pelas forças russas.

Lusa

  • Putin diz que Moscovo não cede a pressões sobre a Síria
    1:34

    Mundo

    A cada dia que passa, agrava-se a tensão entre a Rússia e o ocidente sobre a situação na Síria. Apesar disso, Vladimir Putin mantém-se firme no apoio a Damasco. O Presidente russo acusa o ocidente de não ter levado a sério o apoio russo à proposta do enviado da ONU à Síria. Já o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, acusou a Rússia pelos bombardeamentos e apelou a protestos contra Moscovo junto à embaixada em Londres.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.