sicnot

Perfil

Mundo

Alterações climáticas na Somália aumentam cheias na Índia

© Reuters

Um estudo conjunto de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) e da Universidade de Vigo conclui que as alterações climáticas sobre o afloramento costeiro da Somália podem intensificar as cheias na Índia.

O "afloramento costeiro" é um fenómeno em que águas mais profundas (mais frias e mais ricas em nutrientes) ascendem à superfície do oceano por indução do vento, no caso da costa da Somália devido à influência de ventos de sudoeste.

Até à data não se conhecia qualquer investigação sobre o efeito das alterações climáticas no sistema de afloramento da costa da Somália, fenómeno com consequências no clima da região.

Uma delas, com impacto económico, é o aumento da biodiversidade marinha e, consequentemente, o potencial de pesca associado, segundo João Miguel Dias, um dos autores do estudo e coordenador do Núcleo de Modelação Estuarina e Costeira do Departamento de Física e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (laboratório associado da UA).

No entanto, o "reverso da medalha" é que a intensificação dos ventos na região, devido ao aumento da temperatura do ar a nível global, irá aumentar o fenómeno de afloramento, conforme se prevê que ocorra na costa da Somália, explica a investigadora Magda Sousa, que participou no estudo, agora publicado na revista "Scientific Reports".

O afloramento na costa da Somália está associado às monções, em que todos os verões as massas de ar de elevada humidade sobre o continente ficam mais quentes e sobem originando rajadas de ventos vindas do oceano Índico.

Essa humidade origina a formação de precipitação sobre o continente na forma de chuvas torrenciais, que podem durar vários dias, e que todos os anos causam inundações na Índia que, segundo os resultados deste estudo, feito para um horizonte temporal até 2100, podem vir a ter maior dimensão no futuro em resposta às alterações climáticas e à intensificação do afloramento costeiro na costa da Somália.

Lusa

  • Cheias na Índia provocam pelo menos 40 mortos
    1:41

    Mundo

    Pelo menos 40 pessoas morreram e centenas de milhares foram resgatadas devido às cheias que afetaram várias áreas da Índia central e oriental. Caso a chuva volte nos próximos dias, milatares do exército e força aérea proteram ajudar o país.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.