sicnot

Perfil

Mundo

Estudante e professor paquistaneses acusados de blasfémia por queimarem Alcorão

Um adolescente paquistanês, que alegadamente queimou páginas do Alcorão, e o seu professor de religião foram acusados de blasfémia e detidos.

O adolescente, estudante de uma escola corânica da região de Kasur, na província central do Punjab, terá sido visto por residentes a queimar páginas do livro sagrado muçulmano, disse à agência noticiosa France Presse (AFP) um responsável da polícia local Miraz Arif Rasheed.

Questionado sobre o que estava a fazer, o adolescente indicou que o professor tinha aconselhado o fogo como a melhor forma de destruir um exemplar usado do Alcorão.

Para os muçulmanos, o livro sagrado é a palavra de Deus transmitida ao profeta Maomé e cada exemplar é considerado sagrado, sendo necessário dispor dos livros usados respeitosamente.

Duas formas são consideradas aceitáveis: embrulhar o livro cuidadosamente com um pano antes de ser enterrado, ou colocar o exemplar usado em água corrente até que as letras desapareçam.

As leis que punem a blasfémia preveem uma pena de prisão perpétua por qualquer falta de respeito ao Alcorão.

Este comportamento é suscetível de desencadear reações violentas de multidões fanáticas. Na mesma localidade, uma multidão em fúria queimou um casal de cristãos em 2014, depois de terem sido vistos a deitar fora papéis velhos com inscrições que um vizinho analfabeto pensou serem do Alcorão.

"O estudante e o professor foram detidos" e incorrem "numa pena de prisão perpétua", indicou Rasheed.

Este caso ocorre um dia depois do Supremo Tribunal paquistanês ter adiado indefinidamente uma decisão sobre o último recurso de Asia Bibi, uma cristã mãe de família condenada à morte por blasfémia em 2010.

Acusada de ter insultado o profeta de Maomé, Asia Bibi tornou-se, em seis anos de batalha judiciária, num símbolos de deriva da lei antiblasfémia e vários defensores dos direitos humanos e o Vaticano exigiram a sua libertação.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos únicos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Tiroteio em Espanha causa três mortos

    Mundo

    Um tiroteio na cidade espanhola de Teruel, na região de Aragão, fez esta quinta-feira três mortos, entre os quais dois elementos da Guardia Civil. O atirador está em fuga.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC