sicnot

Perfil

Mundo

Estudante e professor paquistaneses acusados de blasfémia por queimarem Alcorão

Um adolescente paquistanês, que alegadamente queimou páginas do Alcorão, e o seu professor de religião foram acusados de blasfémia e detidos.

O adolescente, estudante de uma escola corânica da região de Kasur, na província central do Punjab, terá sido visto por residentes a queimar páginas do livro sagrado muçulmano, disse à agência noticiosa France Presse (AFP) um responsável da polícia local Miraz Arif Rasheed.

Questionado sobre o que estava a fazer, o adolescente indicou que o professor tinha aconselhado o fogo como a melhor forma de destruir um exemplar usado do Alcorão.

Para os muçulmanos, o livro sagrado é a palavra de Deus transmitida ao profeta Maomé e cada exemplar é considerado sagrado, sendo necessário dispor dos livros usados respeitosamente.

Duas formas são consideradas aceitáveis: embrulhar o livro cuidadosamente com um pano antes de ser enterrado, ou colocar o exemplar usado em água corrente até que as letras desapareçam.

As leis que punem a blasfémia preveem uma pena de prisão perpétua por qualquer falta de respeito ao Alcorão.

Este comportamento é suscetível de desencadear reações violentas de multidões fanáticas. Na mesma localidade, uma multidão em fúria queimou um casal de cristãos em 2014, depois de terem sido vistos a deitar fora papéis velhos com inscrições que um vizinho analfabeto pensou serem do Alcorão.

"O estudante e o professor foram detidos" e incorrem "numa pena de prisão perpétua", indicou Rasheed.

Este caso ocorre um dia depois do Supremo Tribunal paquistanês ter adiado indefinidamente uma decisão sobre o último recurso de Asia Bibi, uma cristã mãe de família condenada à morte por blasfémia em 2010.

Acusada de ter insultado o profeta de Maomé, Asia Bibi tornou-se, em seis anos de batalha judiciária, num símbolos de deriva da lei antiblasfémia e vários defensores dos direitos humanos e o Vaticano exigiram a sua libertação.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras