sicnot

Perfil

Mundo

Estudante e professor paquistaneses acusados de blasfémia por queimarem Alcorão

Um adolescente paquistanês, que alegadamente queimou páginas do Alcorão, e o seu professor de religião foram acusados de blasfémia e detidos.

O adolescente, estudante de uma escola corânica da região de Kasur, na província central do Punjab, terá sido visto por residentes a queimar páginas do livro sagrado muçulmano, disse à agência noticiosa France Presse (AFP) um responsável da polícia local Miraz Arif Rasheed.

Questionado sobre o que estava a fazer, o adolescente indicou que o professor tinha aconselhado o fogo como a melhor forma de destruir um exemplar usado do Alcorão.

Para os muçulmanos, o livro sagrado é a palavra de Deus transmitida ao profeta Maomé e cada exemplar é considerado sagrado, sendo necessário dispor dos livros usados respeitosamente.

Duas formas são consideradas aceitáveis: embrulhar o livro cuidadosamente com um pano antes de ser enterrado, ou colocar o exemplar usado em água corrente até que as letras desapareçam.

As leis que punem a blasfémia preveem uma pena de prisão perpétua por qualquer falta de respeito ao Alcorão.

Este comportamento é suscetível de desencadear reações violentas de multidões fanáticas. Na mesma localidade, uma multidão em fúria queimou um casal de cristãos em 2014, depois de terem sido vistos a deitar fora papéis velhos com inscrições que um vizinho analfabeto pensou serem do Alcorão.

"O estudante e o professor foram detidos" e incorrem "numa pena de prisão perpétua", indicou Rasheed.

Este caso ocorre um dia depois do Supremo Tribunal paquistanês ter adiado indefinidamente uma decisão sobre o último recurso de Asia Bibi, uma cristã mãe de família condenada à morte por blasfémia em 2010.

Acusada de ter insultado o profeta de Maomé, Asia Bibi tornou-se, em seis anos de batalha judiciária, num símbolos de deriva da lei antiblasfémia e vários defensores dos direitos humanos e o Vaticano exigiram a sua libertação.

Lusa

  • Três irmãos resgatados dos escombros em Itália
    1:24
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".

  • Governo quer entregar OE 2018 a 13 de outubro
    1:33
  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.