sicnot

Perfil

Mundo

Moscovo ratifica acordo militar com a Síria por tempo indeterminado

O Presidente russo, Vladimir Putin, ratificou o acordo entre Damasco e Moscovo - "por tempo indeterminado" - sobre o envio de meios aéreos para o aeródromo militar de Hmeimin, na Síria, anunciou hoje o Kremlin.

O acordo, assinado inicialmente no dia 26 de agosto de 2015, permite a presença permanente de meios aéreos militares russos no aeródromo, na Síria, e que é utilizado para as operações de apoio ao regime de Bashar al Assad.

O acordo estipula também que os elementos da Força Aérea da Rússia que se encontram destacados em Hmeimim ficam isentos do pagamento de impostos na Rússia, assim como de controlos alfandegários.

As famílias dos militares russos destacados na Síria passam também a beneficiar de imunidade diplomática.

Um ano após o início da intervenção militar na Síria, a Rússia continua a reforçar a presença militar, com tropas e arsenal, onde efetua operações aéreas, nomeadamente, na zona de Alepo, no norte do país, apesar das críticas dos países ocidentais.

Segundo a France Presse, mais de 4.300 militares russos foram enviados para a Síria e concentram-se, maioritariamente, na base aérea de Hmeimim, perto de Lattaquié, uma zona de influência do Presidente Bashar al Assad.

Na base de Hmeimim encontram-se mais de vinte bombardeiros e dezenas de helicópteros de combate, além dos mísseis de defesa anti área S-400.

A Rússia utiliza ainda as instalações portuárias de Tartous, no litoral norte da Síria e que vão ser transformadas numa "base naval permanente", de acordo com o anúncio feito na segunda-feira pelo vice-ministro russo da Defesa, Nikolai Pankov.

Lusa

  • Regime sírio intensifica ataques sobre Alepo
    2:03

    Mundo

    A ofensiva das forças do regime sírio sobre Alepo intensificou-se nas últimas 24 horas com o apoio da força aérea da Rússia.A cidade foi alvo de novos ataques aéreos. De acordo com as equipas de socorro no terreno provocaram pelo menos 150 mortes.

  • Putin diz que Moscovo não cede a pressões sobre a Síria
    1:34

    Mundo

    A cada dia que passa, agrava-se a tensão entre a Rússia e o ocidente sobre a situação na Síria. Apesar disso, Vladimir Putin mantém-se firme no apoio a Damasco. O Presidente russo acusa o ocidente de não ter levado a sério o apoio russo à proposta do enviado da ONU à Síria. Já o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, acusou a Rússia pelos bombardeamentos e apelou a protestos contra Moscovo junto à embaixada em Londres.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.