sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Nigéria diz que a mulher "pertence à sua cozinha"

Markus Schreiber

O Presidente da Nigéria respondeu às críticas da mulher, dizendo que ela pertence à cozinha. Em visita à Alemanha e com Angela Merkel ao lado, Muhammadu Buhari disse "Não sei que partido a minha mulher defende, mas pertence à minha cozinha, à minha sala e ao outro quarto". Aisha Buhari afirmou que não iria votar no marido nas próximas eleições, a menos que ele mudasse a dinâmica do Governo.

Aisha Buhari

Aisha Buhari

Azeez Akunleyan

Em resposta aos jornalistas, Buhari declarou que ao candidatar-se quatro vezes ao Governo, ele poderia alegar "conhecimento superior" ao da mulher.

Numa entrevista à BBC, Aisha Buhari - uma mulher de negócios e ativista - sugeriu que o Governo do marido foi "sequestrado" por uma série de pessoas com uma agenda política. "O Presidente não conhece 45 das 50 pessoas que apontou para o Governo e eu não as conheço também, apesar de ser a sua mulher há 27 anos", ela disse em entrevista.

O facto de a primeira-dama ter vindo a público mostrar a sua preocupação pode chocar muita gente, mas isto mostra o tamanho descontentamento pela liderança de Muhammadu Buhari.

Os comentários sobre a cozinha e o "outro quarto" levaram muitos internautas a criticarem o Presidente nas redes sociais. Uns questionam o que o Presidente quis dizer com o "outro quarto". Outros têm partilhado imagens de quartos e a hashtag #TheOtherRoom é trending na Nigéria.

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    New Articles

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.