sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Nigéria diz que a mulher "pertence à sua cozinha"

Markus Schreiber

O Presidente da Nigéria respondeu às críticas da mulher, dizendo que ela pertence à cozinha. Em visita à Alemanha e com Angela Merkel ao lado, Muhammadu Buhari disse "Não sei que partido a minha mulher defende, mas pertence à minha cozinha, à minha sala e ao outro quarto". Aisha Buhari afirmou que não iria votar no marido nas próximas eleições, a menos que ele mudasse a dinâmica do Governo.

Aisha Buhari

Aisha Buhari

Azeez Akunleyan

Em resposta aos jornalistas, Buhari declarou que ao candidatar-se quatro vezes ao Governo, ele poderia alegar "conhecimento superior" ao da mulher.

Numa entrevista à BBC, Aisha Buhari - uma mulher de negócios e ativista - sugeriu que o Governo do marido foi "sequestrado" por uma série de pessoas com uma agenda política. "O Presidente não conhece 45 das 50 pessoas que apontou para o Governo e eu não as conheço também, apesar de ser a sua mulher há 27 anos", ela disse em entrevista.

O facto de a primeira-dama ter vindo a público mostrar a sua preocupação pode chocar muita gente, mas isto mostra o tamanho descontentamento pela liderança de Muhammadu Buhari.

Os comentários sobre a cozinha e o "outro quarto" levaram muitos internautas a criticarem o Presidente nas redes sociais. Uns questionam o que o Presidente quis dizer com o "outro quarto". Outros têm partilhado imagens de quartos e a hashtag #TheOtherRoom é trending na Nigéria.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.