sicnot

Perfil

Mundo

Rei marroquino abre nova legislatura com ralhete aos funcionários públicos

Ao discursar perante os 395 membros da nova Câmara dos Representantes, todos rigorosamente vestidos com a tradicional capa branca com capuz e sapatos em bico, o monarca lançou uma rara, mas severa, reprimenda aos serviços da administração pública. (Arquivo)

© Zoubeir Souissi / Reuters

O rei marroquino, Mohamed VI, inaugurou esta sexta-feira a legislatura do novo Parlamento eleito na sexta-feira, sem aludir às negociações para o novo Governo e com um ralhete severo aos funcionários públicos.

Ao discursar perante os 395 membros da nova Câmara dos Representantes, todos rigorosamente vestidos com a tradicional capa branca com capuz e sapatos em bico, o monarca lançou uma rara, mas severa, reprimenda aos serviços da administração pública.

Os serviços públicos padecem de "excesso de efetivos, falta de qualificações e ausência de responsabilização no caso de muitos funcionários", o que se traduz em "um débil rendimento e uma pobre qualidade de serviços prestados ao cidadão".

Para Mohamed VI, não há dúvidas de que o estatuto de funcionário público "representa para muitos um abrigo que garante um salário mensal, sem ter de prestar contas do que faz".

Como exemplos, mencionou os atrasos na entrega de documentos, a concentração dos serviços, apesar de, em teoria, haver um Estado descentralizado, o silêncio dado às denúncias dos cidadãos ou o não-pagamento de indemnizações quando compete ao Estado pagá-las.

Os consulados marroquinos, que apoiam mais de quatro milhões de marroquinos no estrangeiro, foram citados em várias ocasiões como exemplo deste desdém pelos cidadãos, tal como os serviços que têm de responder aos projetos de investimento e que só provocam o seu atraso ou ainda a administração da justiça, acusada de uma grande lentidão nos seus procedimentos.

O rei disse ainda que estes casos explicam em parte o facto de muitos cidadãos lhe escreverem a pedir ajuda.

Apesar de afirmar que está "orgulhoso de lidar diretamente com as pessoas e resolver os seus problemas", Mohamed VI acrescentou que isto não aconteceria se o cidadão não se deparasse com frequência com as portas fechadas dos serviços ou a negligência dos funcionários.

Lusa

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC