sicnot

Perfil

Mundo

Eleições no Haiti marcadas para 20 de novembro

O Haiti deverá realizar as eleições presidenciais e legislativas, que tinham sido adiadas pela passagem do furacão Matthew, no próximo dia 20 de novembro, seguidas de uma segunda volta a 29 de janeiro, disse esta sexta-feira o conselho eleitoral provisório.

© Vincent West / Reuters

Os cidadãos do Haiti deviam ter votado na semana passada, mas as eleições foram adiadas devido à devastação causada pelo furacão Matthew.

Pelo menos 473 pessoas morreram quando o furacão de categoria quatro atingiu o país a 04 de outubro, com ventos de 230 quilómetros por hora.

Na segunda-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que pelo menos 1,4 milhões de pessoas precisam de ajuda no Haiti após a passagem do furacão Matthew.

Já em 2015, as eleições no país tinham sido canceladas devido à violência e denúncias de fraude, deixando o país suspenso numa crise política desde então.

O presidente do conselho eleitoral provisório, Leopold Berlanger, tinha dito que os vários partidos interessados iriam manter conversações antes de anunciar uma nova data.

O Haiti vive uma crise política desde a primeira volta das presidenciais em outubro de 2015, que desencadearam protestos.

As autoridades eleitorais concluíram que houve fraudes e cancelaram os resultados eleitorais.

Os candidatos estão na corrida para substituir o último Presidente, Michel Martelly, que deixou o cargo em fevereiro, sem substituto.

O Parlamento, entretanto, elegeu o presidente interino, Jocelerme Privert, mas tecnicamente o seu mandato de 120 dias expirou em junho.

Entre a agitação política, a população do Haiti está ainda a braços com a pobreza crónica e com uma série de problemas de saúde pública.

A nação mais pobre da América, com uma população de 11 milhões de pessoas, tem lutado para recuperar do devastador terramoto em 2010, mas milhares de pessoas ainda vivem em tendas.

A cólera já matou mais de 10.000 pessoas e afetou cerca de 700.000 desde o surto de 2010, com 500 novos casos reportados semanalmente.

Lusa

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.