sicnot

Perfil

Mundo

Eleições no Haiti marcadas para 20 de novembro

O Haiti deverá realizar as eleições presidenciais e legislativas, que tinham sido adiadas pela passagem do furacão Matthew, no próximo dia 20 de novembro, seguidas de uma segunda volta a 29 de janeiro, disse esta sexta-feira o conselho eleitoral provisório.

© Vincent West / Reuters

Os cidadãos do Haiti deviam ter votado na semana passada, mas as eleições foram adiadas devido à devastação causada pelo furacão Matthew.

Pelo menos 473 pessoas morreram quando o furacão de categoria quatro atingiu o país a 04 de outubro, com ventos de 230 quilómetros por hora.

Na segunda-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que pelo menos 1,4 milhões de pessoas precisam de ajuda no Haiti após a passagem do furacão Matthew.

Já em 2015, as eleições no país tinham sido canceladas devido à violência e denúncias de fraude, deixando o país suspenso numa crise política desde então.

O presidente do conselho eleitoral provisório, Leopold Berlanger, tinha dito que os vários partidos interessados iriam manter conversações antes de anunciar uma nova data.

O Haiti vive uma crise política desde a primeira volta das presidenciais em outubro de 2015, que desencadearam protestos.

As autoridades eleitorais concluíram que houve fraudes e cancelaram os resultados eleitorais.

Os candidatos estão na corrida para substituir o último Presidente, Michel Martelly, que deixou o cargo em fevereiro, sem substituto.

O Parlamento, entretanto, elegeu o presidente interino, Jocelerme Privert, mas tecnicamente o seu mandato de 120 dias expirou em junho.

Entre a agitação política, a população do Haiti está ainda a braços com a pobreza crónica e com uma série de problemas de saúde pública.

A nação mais pobre da América, com uma população de 11 milhões de pessoas, tem lutado para recuperar do devastador terramoto em 2010, mas milhares de pessoas ainda vivem em tendas.

A cólera já matou mais de 10.000 pessoas e afetou cerca de 700.000 desde o surto de 2010, com 500 novos casos reportados semanalmente.

Lusa

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.