sicnot

Perfil

Mundo

Eleições no Haiti marcadas para 20 de novembro

O Haiti deverá realizar as eleições presidenciais e legislativas, que tinham sido adiadas pela passagem do furacão Matthew, no próximo dia 20 de novembro, seguidas de uma segunda volta a 29 de janeiro, disse esta sexta-feira o conselho eleitoral provisório.

© Vincent West / Reuters

Os cidadãos do Haiti deviam ter votado na semana passada, mas as eleições foram adiadas devido à devastação causada pelo furacão Matthew.

Pelo menos 473 pessoas morreram quando o furacão de categoria quatro atingiu o país a 04 de outubro, com ventos de 230 quilómetros por hora.

Na segunda-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que pelo menos 1,4 milhões de pessoas precisam de ajuda no Haiti após a passagem do furacão Matthew.

Já em 2015, as eleições no país tinham sido canceladas devido à violência e denúncias de fraude, deixando o país suspenso numa crise política desde então.

O presidente do conselho eleitoral provisório, Leopold Berlanger, tinha dito que os vários partidos interessados iriam manter conversações antes de anunciar uma nova data.

O Haiti vive uma crise política desde a primeira volta das presidenciais em outubro de 2015, que desencadearam protestos.

As autoridades eleitorais concluíram que houve fraudes e cancelaram os resultados eleitorais.

Os candidatos estão na corrida para substituir o último Presidente, Michel Martelly, que deixou o cargo em fevereiro, sem substituto.

O Parlamento, entretanto, elegeu o presidente interino, Jocelerme Privert, mas tecnicamente o seu mandato de 120 dias expirou em junho.

Entre a agitação política, a população do Haiti está ainda a braços com a pobreza crónica e com uma série de problemas de saúde pública.

A nação mais pobre da América, com uma população de 11 milhões de pessoas, tem lutado para recuperar do devastador terramoto em 2010, mas milhares de pessoas ainda vivem em tendas.

A cólera já matou mais de 10.000 pessoas e afetou cerca de 700.000 desde o surto de 2010, com 500 novos casos reportados semanalmente.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.