sicnot

Perfil

Mundo

Militares egípcios lançam ataques aéreos contra Daesh na península do Sinai

Militares egípcios lançaram hoje ataques aéreos contra alvos 'jihadistas' na Península do Sinai, anunciou o Exército egípcio, depois do Daesh ter matado na sexta-feira 12 soldados egípcios num 'checkpoint'.


O norte do Sinai é uma fortaleza dos extremistas sunitas, que mataram centenas de soldados e polícias desde a queda do presidente islamita egípcio Mohamed Morsi em 2013.

Na sexta-feira os 12 soldados egípcios morreram quando morteiros e foguetes foram disparados contra um posto do exército a oeste de El-Arish, capital da província de Sinai do Norte, de acordo com funcionários.

O Exército disse num comunicado lido na televisão que os aviões tinham saído de madrugada para uma missão de reconhecimento e bombardeamento que durou várias horas e que ainda estava a decorrer.

Os militares disseram que os alvos eram esconderijos de extremistas armados envolvidos no ataque de sexta-feira e adiantaram que foram mortos 'jihadistas' destruídas armas.

Nos últimos anos, militares egípcios foram destacados para a península do Sinai para combater os "jihadistas'.

O Estado Islâmico também tem atacado estrangeiros no Egito, tendo reivindicado um atentado contra um avião russo que transportava turistas de regresso a casa que tinham estado numa estância no Sinai no ano passado. Todas as 224 pessoas a bordo morreram.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.