sicnot

Perfil

Mundo

Hungria continua a segregar crianças ciganas nas escolas

(Arquivo)

© Benoit Tessier / Reuters

A Hungria, Estado-membro da União Europeia desde 2004, continua a separar as crianças ciganas do resto dos alunos, uma prática considerada discriminatória e que o Governo ultra-conservador húngaro justifica com "as necessidades especiais" dessas crianças.

Estima-se que existam 400 escolas segregadas na Hungria, ou seja, centros escolares frequentados apenas por crianças ciganas, especialmente no extremo leste do país, a mais pobre e sub-desenvolvida.

Vários governos húngaros tentaram, durante anos, integrar estas crianças no sistema educativo normal. Esforços que pararam com a chegada ao poder do atual executivo do conservador nacionalista Viktor Orbán, que defende a segregação dos alunos ciganos, afirmando que as crianças de etnia romani precisam de um tratamento especial e programas escolares próprios.

Para atingir esse objetivo, as autoridades húngaras têm vindo a fomentar a instalação de escolas religiosas em zonas de maioria cigana. Os especialistas estimam que entre 5 e 10% dos 10 milhões de habitantes da Hungria são da etnia cigana, uma percentagem que ultrapassa os 20% no Leste do país.

Nevsija Durmish, responsável pelo programa de húngaro da Fundação de Educação Romani, explicou à agência EFE que a segregação pode manifestar-se de várias formas.

"Desde a colocação desproporcionada de alunos ciganos em escolas especiais para crianças deficientes, passando por escolas destinadas apenas a ciganos, até à separação de turmas ciganos em escolas normais", enumerou Nevsija Durmish.

Um dos locais onde isso acontece é no bairro Huszár de Nyíregyháza, uma espécie de "gueto cigano" no Leste da Hungria, onde uma igreja cristã ortodoxa gere uma escola especial para crianças romani.

Apesar da igualdade de direitos à luz da lei, muitas crianças ciganas são impedidos de se inscrever na escola pública do centro da cidade, sendo encaminhados para as escolas especiais. O argumento utilizado é de que não há vagas.

Zsanett Lakatos, uma dona de casa que vive com o marido e três filhas (de 7, 8 e 12 anos) no bairro Huszár de Nyíregyháza, contou que teve de ameaçar com um processo judicial - ajudada por uma ONG - para que a escola regular aceitasse as inscrições das crianças.

Mesmo as mais altas instâncias da Justiça húngara chegaram a aceitar, em decisões, a segregação de crianças ciganas nas escolas.

No ano passado, o Supremo Tribunal húngaro decidiu que "em casos justificados" é legal separar os alunos.

Os tratados comunitários que a Hungria assinou aquando da sua adesão, em 2004, indicam que o país tem de respeitar os princípios que caracterizam a União Europeia, nomeadamente o combate à "discriminação em razão do sexo, raça ou origem étnica, religião ou crença, deficiência, idade ou orientação sexual".

Lusa

  • Rússia vence Egito e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Rússia

    A anfitriã Rússia venceu esta terça-feira o Egito por 3-1, em jogo da 2.ª jornada do grupo A. A seleção russa ficou assim muito perto de garantir o apuramento para os oitavos de final e deixou o Egito quase fora da fase seguinte.

  • O abraço de Marcelo à mascote do Mundial
    0:12
  • Português que saiu de bicicleta de Alenquer já chegou à Rússia
    2:26
  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.