sicnot

Perfil

Mundo

Hungria continua a segregar crianças ciganas nas escolas

(Arquivo)

© Benoit Tessier / Reuters

A Hungria, Estado-membro da União Europeia desde 2004, continua a separar as crianças ciganas do resto dos alunos, uma prática considerada discriminatória e que o Governo ultra-conservador húngaro justifica com "as necessidades especiais" dessas crianças.

Estima-se que existam 400 escolas segregadas na Hungria, ou seja, centros escolares frequentados apenas por crianças ciganas, especialmente no extremo leste do país, a mais pobre e sub-desenvolvida.

Vários governos húngaros tentaram, durante anos, integrar estas crianças no sistema educativo normal. Esforços que pararam com a chegada ao poder do atual executivo do conservador nacionalista Viktor Orbán, que defende a segregação dos alunos ciganos, afirmando que as crianças de etnia romani precisam de um tratamento especial e programas escolares próprios.

Para atingir esse objetivo, as autoridades húngaras têm vindo a fomentar a instalação de escolas religiosas em zonas de maioria cigana. Os especialistas estimam que entre 5 e 10% dos 10 milhões de habitantes da Hungria são da etnia cigana, uma percentagem que ultrapassa os 20% no Leste do país.

Nevsija Durmish, responsável pelo programa de húngaro da Fundação de Educação Romani, explicou à agência EFE que a segregação pode manifestar-se de várias formas.

"Desde a colocação desproporcionada de alunos ciganos em escolas especiais para crianças deficientes, passando por escolas destinadas apenas a ciganos, até à separação de turmas ciganos em escolas normais", enumerou Nevsija Durmish.

Um dos locais onde isso acontece é no bairro Huszár de Nyíregyháza, uma espécie de "gueto cigano" no Leste da Hungria, onde uma igreja cristã ortodoxa gere uma escola especial para crianças romani.

Apesar da igualdade de direitos à luz da lei, muitas crianças ciganas são impedidos de se inscrever na escola pública do centro da cidade, sendo encaminhados para as escolas especiais. O argumento utilizado é de que não há vagas.

Zsanett Lakatos, uma dona de casa que vive com o marido e três filhas (de 7, 8 e 12 anos) no bairro Huszár de Nyíregyháza, contou que teve de ameaçar com um processo judicial - ajudada por uma ONG - para que a escola regular aceitasse as inscrições das crianças.

Mesmo as mais altas instâncias da Justiça húngara chegaram a aceitar, em decisões, a segregação de crianças ciganas nas escolas.

No ano passado, o Supremo Tribunal húngaro decidiu que "em casos justificados" é legal separar os alunos.

Os tratados comunitários que a Hungria assinou aquando da sua adesão, em 2004, indicam que o país tem de respeitar os princípios que caracterizam a União Europeia, nomeadamente o combate à "discriminação em razão do sexo, raça ou origem étnica, religião ou crença, deficiência, idade ou orientação sexual".

Lusa

  • Ricardo Salgado constituído arguido no processo EDP

    País

    Ricardo Salgado foi constituído arguido no processo EDP. Uma notícia confirmada pela defesa do antigo banqueiro. A defesa de Ricardo Salgado diz ser falsa e despropositada a tese do Ministério Público e nega que o banqueiro tenha participado num suposto ato de corrupção em benefício do GES e da EDP.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Passageiros do voo da Southwest Airlines usaram as máscaras de oxigénio ao contrário

    Mundo

    Uma pessoa morreu e sete outras ficaram feridas esta terça-feira depois de um avião da Southwest Airlines ter aterrado de emergência no aeroporto de Filadélfia, nos Estados Unidos. Ao longo da semana várias pessoas ligadas à aviação fizeram comentários sobre a forma como os passageiros utilizaram as máscaras de oxigénio, como é o caso de Bobby Laurie, um ex-comissário de bordo.

    SIC

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Cultura

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Mágico comove audiência do Britain's Got Talent com a história de cancro da mulher e da filha
    5:16