sicnot

Perfil

Mundo

Hungria continua a segregar crianças ciganas nas escolas

(Arquivo)

© Benoit Tessier / Reuters

A Hungria, Estado-membro da União Europeia desde 2004, continua a separar as crianças ciganas do resto dos alunos, uma prática considerada discriminatória e que o Governo ultra-conservador húngaro justifica com "as necessidades especiais" dessas crianças.

Estima-se que existam 400 escolas segregadas na Hungria, ou seja, centros escolares frequentados apenas por crianças ciganas, especialmente no extremo leste do país, a mais pobre e sub-desenvolvida.

Vários governos húngaros tentaram, durante anos, integrar estas crianças no sistema educativo normal. Esforços que pararam com a chegada ao poder do atual executivo do conservador nacionalista Viktor Orbán, que defende a segregação dos alunos ciganos, afirmando que as crianças de etnia romani precisam de um tratamento especial e programas escolares próprios.

Para atingir esse objetivo, as autoridades húngaras têm vindo a fomentar a instalação de escolas religiosas em zonas de maioria cigana. Os especialistas estimam que entre 5 e 10% dos 10 milhões de habitantes da Hungria são da etnia cigana, uma percentagem que ultrapassa os 20% no Leste do país.

Nevsija Durmish, responsável pelo programa de húngaro da Fundação de Educação Romani, explicou à agência EFE que a segregação pode manifestar-se de várias formas.

"Desde a colocação desproporcionada de alunos ciganos em escolas especiais para crianças deficientes, passando por escolas destinadas apenas a ciganos, até à separação de turmas ciganos em escolas normais", enumerou Nevsija Durmish.

Um dos locais onde isso acontece é no bairro Huszár de Nyíregyháza, uma espécie de "gueto cigano" no Leste da Hungria, onde uma igreja cristã ortodoxa gere uma escola especial para crianças romani.

Apesar da igualdade de direitos à luz da lei, muitas crianças ciganas são impedidos de se inscrever na escola pública do centro da cidade, sendo encaminhados para as escolas especiais. O argumento utilizado é de que não há vagas.

Zsanett Lakatos, uma dona de casa que vive com o marido e três filhas (de 7, 8 e 12 anos) no bairro Huszár de Nyíregyháza, contou que teve de ameaçar com um processo judicial - ajudada por uma ONG - para que a escola regular aceitasse as inscrições das crianças.

Mesmo as mais altas instâncias da Justiça húngara chegaram a aceitar, em decisões, a segregação de crianças ciganas nas escolas.

No ano passado, o Supremo Tribunal húngaro decidiu que "em casos justificados" é legal separar os alunos.

Os tratados comunitários que a Hungria assinou aquando da sua adesão, em 2004, indicam que o país tem de respeitar os princípios que caracterizam a União Europeia, nomeadamente o combate à "discriminação em razão do sexo, raça ou origem étnica, religião ou crença, deficiência, idade ou orientação sexual".

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.