sicnot

Perfil

Mundo

Presidente russo afirma que dos EUA se pode esperar "qualquer coisa"

© Sputnik Photo Agency / Reuter

O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou este domingo que dos Estados Unidos se pode esperar "qualquer coisa", comentando as ameaças de Washington em lançar um ataque cibernético contra a Rússia, como represália pela suposta ingerência na campanha presidencial.

"Dos nossos amigos e parceiros norte-americanos pode-se esperar qualquer coisa", disse Putin em Goa, na Índia, onde participou numa cimeira dos BRICS, grupo de países constituído pela Rússia, Brasil, Índia, China e República da África do Sul.

Putin, segundo a agência noticiosa oficial russa Ria Novosti, citada pela Efe, afirmou que "não há nada de novo" e acrescentou: "Por acaso não sabemos que escutam e espiam-nos a todos?".

"Isto sabe-se desde há muito tempo, não é nenhum segredo, os testemunhos abundam, e gastam em tal milhares de milhões de dólares", disse.

O Chefe de Estado russo indicou que os Estados Unidos espiam não apenas os seus potenciais adversários, ou os que considera como tal, mas também os aliados mais próximos.

"Não há nada de novo. A única novidade consiste em que é a primeira vez que os Estados Unidos o reconhecem a alto nível e, em segundo lugar, proferem uma ameaça, o que não se integra nas normas de conduta das relações internacionais".

Putin advertiu que entre os jornalistas que o acompanham nesta viagem alguns deles podem ter interesse para os "respetivos serviços secretos".

Na sexta-feira, a cadeira televisiva norte-americana, NBC, informou, citando fontes dos serviços secretos norte-americanos, que a CIA (Central Intelligence Agency) tem a tarefa de apresentar opções à Casa Branca para uma operação "clandestina" e de amplo alcance cibermético contra o Kremlim, o centro de poder na Rússia.

Antigos funcionários dos serviços secretos adiantaram ainda que a CIA tinha reunido documentação com base na qual podem expor o Presidente russo.

Putin, por seu turno, advertiu que "sacrificar as relações russo-norte-americanas no atual curso da política interna dos Estados Unidos" é "prejudicial e contraproducente".

"Alguém quer uma confrontação, esta não é a nossa opção. Todavia, isso significa que haverá problemas, algo que não queremos. Pelo contrário, gostaríamos de encontrar pontos de contacto para resolver os problemas de caráter global que afetam a Rússia, os Estados Unidos e o mundo", disse.

O Chefe de Estado russo negou que o seu país tente influenciar a campanha presidencial norte-americana, algo que - explicou - não tem sentido, porque não se sabe se o Presidente que for eleito vai cumprir as promessas leitorais.

Lusa

  • Marcelo já teve alta após "queda abrupta de tensão"
    2:53
  • Jorge Jesus emocionado à partida para o Al Hilal
    1:26

    Desporto

    O treinador Jorge Jesus está de partida para a Arábia Saudita, onde vai orientar o Al Hilar. Este sábado, no Aeroporto de Lisboa, emocionou-se quando questionado sobre o que mais lhe custa deixar: "a família e os amigos". Mas também se mostrou certo de que em breve voltará a Portugal.

  • México bate Coreia do Sul e está quase apurado

    Mundial 2018 / República da Coreia

    O México derrotou este sábado a Coreia do Sul por 2-1, na 2.ª jornada do grupo F, e ficou perto de garantir a passagem aos oitavos-de-final.

  • Bélgica goleia Tunísia e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Bélgica

    A Bélgica derrotou este sábado a Tunísia por 5-2, na 2.ª jornada do grupo G, e ficou muito perto de garantir o apuramento para os oitavos-de-final do campeonato do mundo. Veja aqui os golos e os principais lances do encontro.

  • Moutinho continua sem treinar, Raphael Guerreiro recuperou
    1:35
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28
  • A opinião de Francisco Louçã
    14:51

    Opinião

    No habitual espaço de comentário semanal na Edição da Noite, Francisco Louçã analisou o Serviço Nacional de Saúde, o imposto sobre os combustíveis, a guerra entre professores e Governo e a lei das rendas.