sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 50 pessoas morreram em Alepo nas últimas 24 horas

© Khalil Ashawi / Reuters

Pelo menos 50 pessoas foram mortas nas últimas 24 horas por bombardeamentos e disparos de artilharia nos bairros leste da cidade síria de Alepo, cercados pelo exército e controlados pela oposição, referiu o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSCH).

A ONG destacou que entre os mortos há pelo menos 18 menores e oito mulheres.

A artilharia governamental e aviões de guerra atacaram os distritos de Al Marye, Al Qataryi, Al Sukari, Bab al Nasr, Karam al Nazaha, Al Mashad, Al Sheij Fares, Masaken Hanano e Al Qatania, na zona leste da cidade.

A OSDH referiu que 20 pessoas perderam a vida apenas no distrito de Al Qataryi.

Antes, o porta-voz da Defesa civil de Alepo, Ibrahim Abu Leiz, tinha referido à agência noticiosa Efe que pelo menos 35 pessoas morreram e 70 ficaram feridas num bombardeamento à região de Al Awiyel, periferia oeste de Alepo.

Estes ataques coincidem com o anúncio hoje emitido pelo exército russo, sobre uma "pausa humanitária" de oito horas na quinta-feira em Alepo, e que deverão interromper os ataques aéreos.

Lusa

  • Enfermeiros dizem que suplemento de 150 € não é suficiente para acordo
    0:57

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros diz que há um avanço nas negociações com o Governo. Esta terça-feira à tarde, uma delegação do Ministério das Finanças esteve numa reunião que decorreu no Ministério da Saúde. Apesar disso, o presidente do sindicato, José Azevedo, explicou à SIC que a proposta do executivo de pagar mais 150 euros aos enfermeiros especializados não é suficiente para chegarem a acordo.

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43
  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC