sicnot

Perfil

Mundo

José Eduardo dos Santos discursa hoje no parlamento sobre o Estado da Nação angolana

O Presidente angolano profere hoje o anual discurso sobre o Estado da Nação durante a sessão solene de abertura da quinta sessão legislativa da III legislatura, no parlamento, com a crise económica e as eleições em cima da mesa.

Trata-se da última sessão legislativa antes das eleições de 2017 e decorrerá pela primeira vez no novo edifício-sede da Assembleia Nacional, inaugurado em novembro de 2015 em Luanda.

De acordo com a Constituição angolana, na sessão de abertura de cada novo ano parlamentar (neste caso 2016-2017), prevê-se que o Presidente da República dirija, na sede da Assembleia Nacional, uma mensagem sobre o Estado da Nação.

Em 2015, uma "indisposição momentânea" impediu José Eduardo dos Santos de se deslocar ao parlamento, tendo o vice-presidente, Manuel Vicente, dirigido em seu lugar a referida mensagem, já então marcada pelos efeitos da crise económica decorrente da quebra nas receitas petrolíferas.

Em 2013, no mesmo discurso, o Presidente angolano afastou a concretização de uma parceria estratégica com Portugal e no ano seguinte a realização, pelo menos antes de 2017, das primeiras eleições autárquicas no país.

Além da crise e do Orçamento para 2017, o quadro eleitoral do país é também tema aguardado no discurso de José Eduardo dos Santos.

Em março deste ano, na abertura da 11.ª reunião ordinária do Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), José Eduardo dos Santos anunciou a intenção de abandonar a vida política ativa.

"Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que nos termos da Constituição da República termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política ativa em 2018", anunciou José Eduardo dos Santos.

Contudo, já em agosto, acabaria por ser reeleito presidente do partido, não sendo ainda conhecido em que moldes será feita a anunciada transição ou se este pode ser o último discurso do Estado da Nação feito por José Eduardo dos Santos.

A cerimónia está agendada para as 11:00 de hoje e o discurso de José Eduardo dos Santos deverá acontecer, segundo o programa oficial, pelas 11.30, depois da intervenção de abertura do presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.