sicnot

Perfil

Mundo

Junta militar da Tailândia mantém eleições em 2017 apesar da morte do rei

reuters

O Governo da Tailândia mantém a intenção de convocar eleições gerais em 2017, como prevê o programa da junta militar que lidera o país, apesar da morte do rei Bhumibol Adulyadej, noticia hoje a imprensa local.

O porta-voz do Governo, Sansern Kaewkamnerd, disse que o luto pela morte do monarca, na semana passada, não mudará a atividade regular do Executivo, segundo o jornal diário Bangkok Post.

Depois de uma reunião de de vários organismos governamentais, o porta-voz afirmou que a administração do país não opera no vazio e que o Governo do primeiro-ministro Prayut Chan-ocha "mantém-se firme no seu plano de ação rumo às próximas eleições gerais".

"O primeiro-ministro transmitiu uma mensagem a todas as agências do Governo para que, apesar do luto, não se esqueçam de levar a cabo as suas obrigações. Podemos estar tristes, mas não nos podemos permitir perder o nosso amor ao país", afirmou Sansern.

As autoridades declararam um ano de luto oficial pela morte do rei, que reinou durante 70 anos e era o monarca há mais tempo em funções em todo o mundo.

O príncipe herdeiro, Vajiralongkorn, pediu para a sua coroação ser adiada até estar cumprido o período de luto.

Na terça-feira da semana passada, dois dias antes da morte do rei, o Governo recebeu a proposta final para a nova Constituição da Tailândia, aprovada em agosto num referendo e que para entrar em vigor terá de ser ratificada pelo rei do país.

A junta militar, no poder desde o golpe de estado de maio de 2014, colocou como condição para convocar eleições e restabelecer a democracia a aprovação da nova Constituição.

No domingo, a junta militar expressou lealdade ao príncipe herdeiro, para acabar com a incerteza sobre a sucessão ao trono.

Assim o comunicou o primeiro-ministro e chefe da junta, poucas horas depois de ter uma audiência com o príncipe durante a qual também esteve presente o regente temporário Prem Tinunlasondo, segundo o Bangkok Post.

"O governo e o Conselho Nacional para a Paz e a Ordem [nome oficial da junta militar], vendo os tributos de afeto do povo [ao monarca falecido Bhumibol Adulyadej], quer prometer que cumprirá com as suas obrigações com honestidade e lealdade aos requerimentos do príncipe herdeiro", sublinhou Prayut numa mensagem transmitida pela televisão.

Segundo Prayut, o príncipe reiterou na audiência o desejo de atrasar a sua proclamação como novo rei enquanto durar o período de luto, mas não especificou quanto tempo decorrerá até que Vajiralongkorn assuma o trono.

Prayut assegurou que o príncipe pediu calma aos tailandeses, já que o processo de sucessão está claramente definido na Constituição, as leis do Palácio e a tradição.

O monarca falecido é o único rei conhecido pela maioria dos tailandeses, que o consideravam como um ser quase divino, símbolo da unidade e guia da nação.

A sua morte abre uma série de interrogações sobre o futuro da Tailândia porque Vajiralongkorn viveu grande parte da sua vida no estrangeiro desligado dos assuntos da coroa e não herdou a popularidade do pai.

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57