sicnot

Perfil

Mundo

Junta militar da Tailândia mantém eleições em 2017 apesar da morte do rei

reuters

O Governo da Tailândia mantém a intenção de convocar eleições gerais em 2017, como prevê o programa da junta militar que lidera o país, apesar da morte do rei Bhumibol Adulyadej, noticia hoje a imprensa local.

O porta-voz do Governo, Sansern Kaewkamnerd, disse que o luto pela morte do monarca, na semana passada, não mudará a atividade regular do Executivo, segundo o jornal diário Bangkok Post.

Depois de uma reunião de de vários organismos governamentais, o porta-voz afirmou que a administração do país não opera no vazio e que o Governo do primeiro-ministro Prayut Chan-ocha "mantém-se firme no seu plano de ação rumo às próximas eleições gerais".

"O primeiro-ministro transmitiu uma mensagem a todas as agências do Governo para que, apesar do luto, não se esqueçam de levar a cabo as suas obrigações. Podemos estar tristes, mas não nos podemos permitir perder o nosso amor ao país", afirmou Sansern.

As autoridades declararam um ano de luto oficial pela morte do rei, que reinou durante 70 anos e era o monarca há mais tempo em funções em todo o mundo.

O príncipe herdeiro, Vajiralongkorn, pediu para a sua coroação ser adiada até estar cumprido o período de luto.

Na terça-feira da semana passada, dois dias antes da morte do rei, o Governo recebeu a proposta final para a nova Constituição da Tailândia, aprovada em agosto num referendo e que para entrar em vigor terá de ser ratificada pelo rei do país.

A junta militar, no poder desde o golpe de estado de maio de 2014, colocou como condição para convocar eleições e restabelecer a democracia a aprovação da nova Constituição.

No domingo, a junta militar expressou lealdade ao príncipe herdeiro, para acabar com a incerteza sobre a sucessão ao trono.

Assim o comunicou o primeiro-ministro e chefe da junta, poucas horas depois de ter uma audiência com o príncipe durante a qual também esteve presente o regente temporário Prem Tinunlasondo, segundo o Bangkok Post.

"O governo e o Conselho Nacional para a Paz e a Ordem [nome oficial da junta militar], vendo os tributos de afeto do povo [ao monarca falecido Bhumibol Adulyadej], quer prometer que cumprirá com as suas obrigações com honestidade e lealdade aos requerimentos do príncipe herdeiro", sublinhou Prayut numa mensagem transmitida pela televisão.

Segundo Prayut, o príncipe reiterou na audiência o desejo de atrasar a sua proclamação como novo rei enquanto durar o período de luto, mas não especificou quanto tempo decorrerá até que Vajiralongkorn assuma o trono.

Prayut assegurou que o príncipe pediu calma aos tailandeses, já que o processo de sucessão está claramente definido na Constituição, as leis do Palácio e a tradição.

O monarca falecido é o único rei conhecido pela maioria dos tailandeses, que o consideravam como um ser quase divino, símbolo da unidade e guia da nação.

A sua morte abre uma série de interrogações sobre o futuro da Tailândia porque Vajiralongkorn viveu grande parte da sua vida no estrangeiro desligado dos assuntos da coroa e não herdou a popularidade do pai.

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos únicos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Tiroteio em Espanha causa três mortos

    Mundo

    Um tiroteio na cidade espanhola de Teruel, na região de Aragão, fez esta quinta-feira três mortos, entre os quais dois elementos da Guardia Civil. O atirador está em fuga.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC