sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão conta a surpresa com que viu uma greve fome dar a volta ao mundo

O ativista luso-angolano Luaty Beirão confessa ter ficado surpreendido pelo impacto internacional da greve de fome de 36 dias que fez há um ano, admitindo que chegou a recear morrer e ironizando que só faltou o Vaticano pronunciar-se.

"Fiquei completamente estupefacto com o nível quase pornográfico que essa coisa [greve de fome] tomou. Só faltava o Vaticano pronunciar-se. Chegou às Nações Unidas, à Secretaria de Estado do Governo do Obama. Chegou a um ponto tal que já não faltava mais nada, a não ser o Governo [angolano] ceder", recordou o rapper, em entrevista à Lusa.

Luaty Beirão, um dos 17 ativistas condenados em março último, pelo Tribunal de Luanda, a penas de prisão por rebelião e associação de malfeitores, terminou a 26 de outubro de 2015 uma greve de fome de 36 dias, em protesto, na altura, contra a prisão preventiva (desde 20 de junho), alegando que tinham sido ultrapassados os prazos legais, sem dedução de acusação.

A greve de fome acabou com a detenção destes ativistas, críticos do regime e que alegaram reunir-se para discutir sobre política e não para realizar uma rebelião, no plano mediático internacional.

Luaty Beirão chegou a ser transferido da cadeia para o Hospital-Prisão de São Paulo, em Luanda, e depois para a mais cara clínica privada da capital angolana.

"Emociona-me pensar que havia, neste dia de hoje [em 2015], uma incerteza sobre o que podia dar, qual seria o desfecho, que podia ser o pior cenário. Foram momentos muito intensos, para mim e para a minha família", recorda, em entrevista à Lusa.

A partir do 19.º dia de greve de fome admite que passou a recear pela vida e que "o pior podia estar prestes a acontecer", mas também que o Governo angolano "começou a levar mais a sério" o protesto.

"Uma pessoa, quando entra numa coisa destas, tem que estar mentalizada que pode dar para o torto", diz.

É depois desse período, já segundo os médicos a correr risco de vida, que os Serviços Penitenciários avançam com a sua transferência, sob detenção, para a clínica privada Girassol, do grupo Sonangol.

"Condições que eu não sei se algum dia, neste país, eu poderia pagar se tivesse uma doença séria. Aquilo era um quarto que eu nem sabia que existia no hospital, senti a preocupação com que eu não morresse", critica.

Ainda assim, e com um ano passado, diz agora que não imaginava que o protesto levasse mais de 12 dias, mas também que o voltava a realizar nas mesmas circunstâncias.

"Nunca pensei que as coisas fossem chegar àquele ponto. Pensei que quando eles [Governo angolano] se apercebessem que eu estava a falar a sério e que não pretendia desistir que eles fossem fazer o mais simples, que era aplicar a lei. Não era fazer-me uma vontade", afirma.

A 28 de março voltou para a prisão, condenado a 5 anos e meio de cadeia por atos preparatório para uma rebelião e associação de malfeitores, tendo sido libertado no final de junho, juntamente com os restantes 16 ativistas.

Para Luaty Beirão, um dos rostos mais visíveis da contestação aos 37 anos no poder de José Eduardo dos Santos, este caso só veio dar "mais força" a quem não concorda com o modelo de governação de Angola.

"Senti que chegou um momento na minha vida em que eu não posso simplesmente aceitar que é assim que nós temos que estar e que é preciso fazer alguma coisa, porque temos filhos, vamos ter netos e é preciso deixar isto um bocado melhor do que o que estamos a encontrar", critica.

Garante que o que está a acontecer é um "amadurecimento" da sociedade, através de uma "cidadania responsável" que começa a ganhar corpo em Angola, para a qual a visibilidade da greve de fome de há um ano também contribuiu.

"O país acaba por sair a ganhar porque são pequenos gestos que fazem com que a nossa pseudo-democracia possa amadurecer. Habituamo-nos a viver com a doença, a sobreviver. E quando morremos foi de quê? De estar vivo", ironizou.

Garante que o regime angolano está agora pressionado internacionalmente e garante que o pior, em termos de saúde, já passou.

"Até pela barriguinha que já está a sair, eu acho que estou totalmente recuperado".

Lusa

  • Obama acredita que Guterres será um bom líder da ONU
    0:53

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar de perto com os Estados Unidos na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido esta sexta-feira por Barack Obama, na Casa Branca, onde foi elogiado pelo ainda Presidente.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.