sicnot

Perfil

Mundo

Pior que uma colonoscopia? A bebida de preparação

As barras têm sabor a limão, coco ou chocolate branco. As bebidas sabem a morango-banana, baunilha, frutos do bosque ou laranja.

A preparação para uma colonoscopia envolve a ingestão de uma bebida que é, no mínimo, horrível. Há mesmo quem não faça o exame só para não ter que a beber. Uma empresa norte-americana promete "apanhar os fugitivos" com uma alternativa.

É preciso limpar o cólon e o reto para o exame necessário à deteção de cancro colorretal, pelo que os pacientes têm de ingerir um líquido laxante, ultra-salgado e com péssimo sabor. Há pacientes que o evitam fazer por causa dos preparativos, mas este exame pode prevenir o desenvolvimento de 40% dos cancros colorretais, disse à CNN o professor de medicina da Universidade de Harvard, Douglas Rex.

"A preparação dos intestinos é uma das razões mais evocadas (pelos pacientes) para não fazer colonoscopia e isto é válido mesmo para aqueles que nunca a fizeram", afirmou o médico. Isto significa que a palavra se tem espalhado e que os preparativos para o exame têm de ser levados a sério, de modo a diminuir a incidência destes cancros.

A empresa norte-americana ColonaryConcepts decidiu avançar e está a desenvolver bebidas que se assemelham a batidos de fruta ou barras de cereais - mas ainda é necessária mais investigação para que estas alternativas sejam aprovadas.

Bebidas e barras contêm o mesmo ingrediente ativo laxante, presente na atual bebida - polyethylene glycol (PEG) 3350. Os resultados dos ensaios clínicos vão ser apresentados no encontro anual do Colégio de Gastrenterologistas Americanos na próxima semana.

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão