sicnot

Perfil

Mundo

Viúva de Samora Machel diz que cabe a Moçambique e África do Sul apurar a verdade

© POOL New / Reuters

A viúva do primeiro Presidente moçambicano, Graça Machel, disse esta segunda-feira ser responsabilidade dos governos de Moçambique e da África do Sul descobrir as causas do desastre aéreo que vitimou o estadista há trinta anos.

"É responsabilidade dos dois governos, de Moçambique em primeira mão, porque ele era Presidente de Moçambique, e da África do Sul, porque o avião caiu neste país, demonstrarem que de facto estão a trabalhar incansavelmente para trazer a verdade ao de cima", afirmou Graça Machel, em declarações aos jornalistas, à margem de uma cerimónia alusiva aos trinta anos da morte de Samora Machel em Mbuzini, África do Sul, local da tragédia.

Graça Machel lembrou que todas as investigações ao desastre, ocorrido a 19 de outubro de 1986, foram inconclusivas e que a família continua à espera.

Na cerimónia, que juntou centenas de convidados no memorial erguido em memória de Machel em Mbuzini, o primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário, assegurou que o estadista foi vítima de um assassínio e que o "dossier" da sua morte "continua a ser uma prioridade nacional e um imperativo patriótico".

Aos jornalistas, Graça Machel, primeira ministra da Educação de Moçambique, disse que preferia não tocar no assunto, alegando que já várias vezes foram assumidos compromissos nesse sentido.

"Já foram vários Presidentes: [os sul-africanos] Nelson Mandela, Thabo Mbeki, Jacob Zuma, os Presidentes de Moçambique Joaquim Chissano, Armando Guebuza, todo o mundo já disse isso. Portanto, Só vou acreditar quando vir o resultado", declarou.

A viúva de Samora Machel, que voltou a casar-se em 1998 com o então Presidente sul-africano, Nelson Mandela, afastou, por outro lado, que a aeronave se tenha despenhado devido a erro humano.

"Mesmo que tenha havido erros, os erros não justificam que o avião tivesse caído. Por isso é que eu digo que as investigações são inconclusivas até hoje", observou.

Malengane Machel, filho do casal, também sublinhou que "definitivamente" quer saber como morreu o seu pai, observando que os sul-africanos nunca se devem esquecer o que Moçambique fez pela libertação do regime do "apartheid".

"Nunca se esqueçam de que Moçambique foi bombardeado só porque tínhamos sul-africanos que estavam a lutar pela sua independência", disse o filho de Machel, que destacou o legado do antigo chefe de Estado em valores como "respeito pelo outro, honestidade e integridade".

No topo da montanha onde se despenhou o avião presidencial, ergue-se desde 2009 um museu e um memorial, património nacional na África do Sul, que foi hoje o cenário das celebrações, dirigidas pelo vice-Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, e pelo primeiro-ministro moçambicano, perante outros membros dos respetivos governos, líderes locais, religiosos e tradicionais, familiares das vítimas, sobreviventes do desastre e apoiantes da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e Congresso Nacional Africano (ANC), ambos no poder.

A cerimónia começou com a deposição de coroas de flores no local da queda do avião, onde 35 tubos metálicos na vertical invocam o número de vidas que se perderam, junto de destroços do Tupolev 134, de fabrico russo, em que viajava Machel e sua delegação, no regresso de uma viagem à Zâmbia e já na aproximação a Maputo.

Para Graça Machel, que hoje cumpre o seu 71.º aniversário, visitar Mbuzini é "um misto de sentimentos" entre feridas reabertas e alento.

"A dor é muito grande. Mas ao mesmo tempo, estes trinta anos reivindicaram a palavra de ordem de que Samora vive", comentou, salientando o facto de haver jovens a ler e ouvir discursos de Samora e de a figura do primeiro Presidente permanecer no quotidiano do povo moçambicano.

"Choramos um grande soldado, um filho corajoso e nobre homem de Estado", escreveu Mandela em 1986, ainda na prisão, à sua futura mulher, numa passagem da carta reproduzida à entrada do museu de Mbuzini, e que também lembrava que a luta de Moçambique e da África do Sul esteve sempre ligada e seria vitoriosa.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.