sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia alerta para necessidade de proteger civis durante batalha de Mossul

A Amnistia Internacional (AI) alertou hoje para a necessidade de proteger os civis durante a ofensiva iniciada pelas forças iraquianas para retomar a cidade iraquiana de Mossul ao controlo do Daesh.

"Devem ser feitos todos os esforços para proteger os civis dos violentos combates e de potenciais ataques de retaliação em Mossul", sustentou em comunicado a organização de defesa dos direitos humanos, quando está em curso a operação de retomada da cidade aos extremistas do Daesh.

Num relatório hoje divulgado, intitulado "Punidos pelos crimes do Daesh: Iraquianos deslocados vítimas de abusos de milícias e forças governamentais", a AI denuncia e documenta graves violações dos direitos humanos, incluindo crimes de guerra, cometidas pelas milícias iraquianas e forças governamentais contra civis deslocados durante anteriores operações militares no Iraque.

Tortura, detenções arbitrárias, desaparecimentos e execuções sumárias são alguns dos crimes denunciados pela Amnistia Internacional no documento de 70 páginas resultante de uma investigação assente em entrevistas a mais de 470 antigos detidos, testemunhas e familiares de pessoas executadas ou detidas arbitrariamente, bem como a ativistas e trabalhadores de agências humanitárias e ainda a responsáveis governamentais iraquianos.

Este relatório faz também soar o alarme sobre os riscos iminentes de mais violações maciças de direitos humanos no Iraque na ofensiva para recuperar o controlo de Mossul.

"As autoridades iraquianas devem adotar medidas concretas para garantir a não-repetição das violações grosseiras [dos direitos humanos] testemunhadas em Fallujah e noutros pontos do Iraque durante combates entre tropas governamentais e o Daesh", frisou Philip Luther, diretor de investigação e apoio da Amnistia Internacional para o Médio Oriente e norte de África.

"As instruções do primeiro-ministro, Haydar al-Abadi, para se usar de 'precaução e vigilância' para assegurar a proteção de civis devem ser mais do que palavras simbólicas: As autoridades iraquianas devem exercer controlo e comando eficazes sobre as milícias, e devem garantir que elementos envolvidos em anteriores violações de direitos humanos não tomará parte nas operações de Mossul", referiu.

O responsável da AI precisou ainda que "todas as partes no conflito devem adotar todas as precauções possíveis para evitar baixas civis durante o seu ataque a Mossul" e que as autoridades iraquianas e curdas envolvidas no planeamento da operação militar devem assegurar aos civis em fuga uma rota segura.

"As autoridades não devem poupar-se a esforços para evitar que haja civis apanhados no meio dos combates", insistiu Philip Luther.

"Os civis em fuga devem igualmente ser protegidos de ações de vingança e devem ser-lhes fornecidos acolhimento e ajuda humanitária. Com cerca de um milhão de pessoas possivelmente deslocadas de Mossul e áreas circundantes, a situação poderia rapidamente desembocar em catástrofe humanitária", sublinhou.

O diretor da Amnistia deixou ainda um recado aos jihadistas do Daesh, afirmando: "O grupo armado Daesh deve permitir que os civis se vão embora e não os usar como escudos humanos".

Com Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57