sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia alerta para necessidade de proteger civis durante batalha de Mossul

A Amnistia Internacional (AI) alertou hoje para a necessidade de proteger os civis durante a ofensiva iniciada pelas forças iraquianas para retomar a cidade iraquiana de Mossul ao controlo do Daesh.

"Devem ser feitos todos os esforços para proteger os civis dos violentos combates e de potenciais ataques de retaliação em Mossul", sustentou em comunicado a organização de defesa dos direitos humanos, quando está em curso a operação de retomada da cidade aos extremistas do Daesh.

Num relatório hoje divulgado, intitulado "Punidos pelos crimes do Daesh: Iraquianos deslocados vítimas de abusos de milícias e forças governamentais", a AI denuncia e documenta graves violações dos direitos humanos, incluindo crimes de guerra, cometidas pelas milícias iraquianas e forças governamentais contra civis deslocados durante anteriores operações militares no Iraque.

Tortura, detenções arbitrárias, desaparecimentos e execuções sumárias são alguns dos crimes denunciados pela Amnistia Internacional no documento de 70 páginas resultante de uma investigação assente em entrevistas a mais de 470 antigos detidos, testemunhas e familiares de pessoas executadas ou detidas arbitrariamente, bem como a ativistas e trabalhadores de agências humanitárias e ainda a responsáveis governamentais iraquianos.

Este relatório faz também soar o alarme sobre os riscos iminentes de mais violações maciças de direitos humanos no Iraque na ofensiva para recuperar o controlo de Mossul.

"As autoridades iraquianas devem adotar medidas concretas para garantir a não-repetição das violações grosseiras [dos direitos humanos] testemunhadas em Fallujah e noutros pontos do Iraque durante combates entre tropas governamentais e o Daesh", frisou Philip Luther, diretor de investigação e apoio da Amnistia Internacional para o Médio Oriente e norte de África.

"As instruções do primeiro-ministro, Haydar al-Abadi, para se usar de 'precaução e vigilância' para assegurar a proteção de civis devem ser mais do que palavras simbólicas: As autoridades iraquianas devem exercer controlo e comando eficazes sobre as milícias, e devem garantir que elementos envolvidos em anteriores violações de direitos humanos não tomará parte nas operações de Mossul", referiu.

O responsável da AI precisou ainda que "todas as partes no conflito devem adotar todas as precauções possíveis para evitar baixas civis durante o seu ataque a Mossul" e que as autoridades iraquianas e curdas envolvidas no planeamento da operação militar devem assegurar aos civis em fuga uma rota segura.

"As autoridades não devem poupar-se a esforços para evitar que haja civis apanhados no meio dos combates", insistiu Philip Luther.

"Os civis em fuga devem igualmente ser protegidos de ações de vingança e devem ser-lhes fornecidos acolhimento e ajuda humanitária. Com cerca de um milhão de pessoas possivelmente deslocadas de Mossul e áreas circundantes, a situação poderia rapidamente desembocar em catástrofe humanitária", sublinhou.

O diretor da Amnistia deixou ainda um recado aos jihadistas do Daesh, afirmando: "O grupo armado Daesh deve permitir que os civis se vão embora e não os usar como escudos humanos".

Com Lusa

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.