sicnot

Perfil

Mundo

Itália regista número recorde de crianças que chegam sozinhas

Reuters

O número de crianças que chegam sozinhas nos barcos sobrelotados de migrantes que continuam a dar à costa de Itália atingiu um recorde este ano, alertou hoje o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

"Três recém-nascidos, duas crianças que nasceram em barcos da guarda costeira italiana no Mediterrâneo Central e uma terceira que nasceu num porto, estão entre as mais recentes chegadas de crianças refugiadas e migrantes a Itália", relata a Unicef, em comunicado.

Só nos primeiros nove meses de 2016 chegaram mais crianças do que durante todo o ano de 2015, compara a agência, precisando que, entre janeiro e outubro, mais de 20 mil menores, não acompanhados e separados das suas famílias, chegaram por mar a Itália.

Este número já ultrapassa o total de 2015, ano em que chegaram 16.500 crianças, das quais 12.300 não acompanhadas ou separadas das suas famílias.

"Este ano, mais de 90 por cento das crianças viajaram sozinhas, enquanto em 2015 a percentagem de crianças não acompanhadas era de 75 por cento", confere a Unicef.

A maioria das crianças nessa situação chega da África Ocidental, mas, este ano, registou-se também um aumento das crianças vindas do Egipto, assinala o fundo.

Segundo uma equipa da Unicef no terreno, "a situação das crianças refugiadas e migrantes em Itália é cada vez mais desesperante e o sistema de proteção infantil nacional está sobrecarregado".

Citada no comunicado, Sabrina Avakian, membro da Unicef que está atualmente na Calábria, em Itália, realça que a região acolhe "centenas de crianças (...) com necessidades muito urgentes", todas as semanas. "Todos eles precisam de proteção adequada e alojamento. E todo este processo está a demorar demasiado tempo", critica.

Mais de 3.100 pessoas morreram afogadas no Mediterrâneo só nos primeiros nove meses deste ano, número que é também um recorde, contabiliza a Unicef, sublinhando que se desconhece quantas crianças estão entre os mortos no mar.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.