sicnot

Perfil

Mundo

Multas para estendais de roupa e tapetes nas ruas de Damasco

© Bassam Khabieh / Reuters

A guerra, que dura há cinco anos na Síria, não impede os autarcas de Damasco de se preocuparem com a estética da capital. A edilidade aumentou drasticamente as multas para quem pendura a roupa em estendais na rua ou coloca tapetes nas varandas.

A autarquia de Damasco multiplicou por 10 o valor das multas, pelo que os prevaricadores terão agora de pagar 5 mil libras sírias, cerca de 9 euros, caso estendam roupa na rua, pendurem tapetes nas varandas, deitem lixo para a rua ou para o rio Barada, que atravessa a cidade.

Entre as outras medidas que os responsáveis justificam para "preservar a estética da cidade e lutar contra a poluição ambiental e visual", é ainda obrigatório para os donos de animais de estimação terem um certificado veterinário de saúde.

Por causa da guerra, os cofres da cidade estão mais vazios, pelo que os responsáveis procuram fazer entrar dinheiro por todos os meios. O preço dos passaportes para os sírios e as autorizações de residência para os estrangeiros estão mais caros, bem como as taxas de saída do território. Até as chawarmas, sandwichs de carne muito populares na região do Levante, foram taxadas.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.